Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Capítulo XXXVIII - Livro: Elucidário – pelo espírito de Paulo de Tarso através do médium: Diamantino Coelho Fernandes. Assistência espiritual ou socorro divino - O desligamento do corpo não esquece as infrações porventura cometidas pela alma - Um caso de consciência sobrecarregada - Solução dada pelo Senhor do Mundo - As virtudes incontáveis da oração




As modificações projetadas para a superfície desta pequena esfera terrestre devem produzir resultados bastante favoráveis às populações localizadas em toda a circunferência da esfera. Embora se trate de modificações ditas de superfície, por ser aí que as mesmas serão constatadas pelos habitantes da Terra, suas causas estão bem profundas, sendo só os efeitos que se tornarão visíveis a todos.

A repetição que eu e outros autores fazemos do assunto, justifica-se plenamente pela necessidade que há de que todos os homens e mulheres lhe prestem sua maior atenção, em face dos acontecimentos que daí certamente resultarão para muitos milhares de seres humanos do presente. Tratando-se de uma operação como jamais houve na Terra, operação que deverá verificar-se simultaneamente em várias regiões, há o maior empenho por parte do Senhor do Mundo no sentido de que todos os homens e mulheres tomem conhecimento do assunto e se preparem devidamente para vivê-lo quando esse momento chegar.

As circunstâncias em que as operações transformatórias devem processar-se por toda a parte, estão a requerer de todos os seres humanos uma atenção especial, não com o objetivo de os evitarem porque isso lhes será de todo impossível, mas para que possam receber no momento psicológico a assistência espiritual, ou seja o socorro divino de que possam carecer. Isto não significa que as operações em curso na Terra devam retirar daqui a totalidade dos seus habitantes, absolutamente. Um certo número, porém, deverá partir de regresso ao seu plano de vida espiritual, e então o fará debaixo da maior tranqüilidade, graças à assistência que Nosso Senhor estará dispensando a quantos se encontrem nessas condições.

O caso não é absolutamente para que os leitores se abatam ante a possibilidade de terem de partir em breve da Terra, porque se isso acontecer a alguns, já foi previsto em sua carta de vida ao descerem à Terra para a presente encarnação. E a propósito da partida da Terra, desejo deixar claro também por minha vez que não se trata senão de uma operação muitas vezes realizada por todos os leitores ao ensejo do encerramento de suas encarnações anteriores. A partida da Terra, à parte o que possa haver de sofrimento físico durante os últimos dias ou meses que precedem à desencarnação das almas que têm de partir, só alegria pode causar àqueles que partem, visto como os sofrimentos da carne ficam invariavelmente na carne. O Espírito que se desprende do fardo material que construiu e movimentou durante dezenas de anos, apenas desligado pelo fenômeno da morte, sente-se imediatamente aliviado dele, e tem ânsias de voar espaço em fora, tal a sensação que dele então se apodera. Isto, é preciso dizê-lo, quanto aos sofrimentos físicos; porque se a alma que desencarna está presa a outra espécie de sofrimentos, os de ordem moral motivados por algum procedimento incorreto ou menos digno para com seus contemporâneos, nesses casos pode dizer-se que sua tranqüilidade será apenas relativa porque o desligamento do corpo não importa no esquecimento das infrações porventura cometidas.

Essas infrações imprimem-se indelevelmente na consciência do desencarnado e seguem com ele para os planos do Além como uma espécie de sobrecarga a impedir-lhe mais alto vôo. Em face do que aí fica, torna-se da maior conveniência para todos quantos se encontram na Terra, prestarem a maior atenção aos chamados casos de consciência, uma vez que terão de conduzi-los em sua bagagem espiritual. E sabeis, acaso, o que pode acontecer a quantos se encontrem portadores de casos de consciência? Acontece freqüentemente sentirem-se impotentes para se erguerem do plano em que passaram a viver para se locomoverem, abatidos e muitas vezes chumbados ao solo pelo peso que esses casos lhes acarretam.

A propósito deste assunto vou tentar relatar-vos um fato entre muitos que no Alto se verificam com almas que regressaram da Terra com a consciência sobrecarregada de casos ali acumulados. Certa alma já possuidora de certo grau evolutivo, e por conseguinte portadora de uma certa luminosidade, deixara-se tentar na Terra por algo que em sã consciência de logo teria repelido. A tentação, como todos sabeis, é uma espécie de envolvimento em torno do ser humano, levando-o à prática de atos menos dignos para si mesmo e incorretos para com terceiros. A alma a quem aqui me refiro deixara-se envolver por uma dessas tentações e cometera a infração que no Alto passara a constituir motivo de grande abatimento moral. Este era de tal ordem que aquela alma, para dele se libertar, aceitaria de bom grado voltar à Terra imediatamente para sofrer ela própria o mesmo que havia praticado a outrem. E não podendo mais resistir ao sofrimento moral, dirigiu-se aos seus superiores hierárquicos a quem suplicou a necessária permissão para reencarnar. A Entidade suplicada, olhou-a carinhosamente perscrutando-lhe o íntimo, e assim se pronunciou:

- Minha filha: o que me pedes neste momento é inteiramente impossível em face das leis divinas. Estas não permitem que nenhuma alma regressada do solo terreno a ele volte senão após um determinado período de repouso no plano espiritual. Esse período de repouso é necessário a todos para que bem possam assimilar os conhecimentos e experiências adquiridos em seus trabalhos no solo terreno. Assim pois, minha querida, necessitas de permanecer aqui pelo menos tanto tempo quanto viveste na Terra para essa assimilação.

A Entidade fez uma pausa, durante a qual se concentrou profundamente e tornou a falar:

- Vejo entretanto como é grande o teu arrependimento, minha filha. Acabo de rogar ao Senhor a graça de uma solução para o teu caso, e o Senhor em sua magnanimidade acaba de me inspirar a respeito. A solução inspirada pelo Senhor é a seguinte: - A partir de hoje, tu te constituirás em Protetor espiritual daquela criatura a quem prejudicaste na Terra, cujo registro a tua consciência evidencia com tanto abatimento (remorso) para ti. Vais descer então à Terra e lá te aproximarás de quem terás de proteger durante sua permanência na carne, com o fim de a protegeres empenhadamente. Sempre que o teu empenho em proteger aquela criatura encontrar obstáculos, usarás esta chave: concentra os teus pensamentos no Senhor e pede-lhe ajuda, certa de que a receberás. Vai então minha filha; o teu Guardião te acompanhará à Terra, onde cumprirás tua missão.

Decorreram alguns anos deste fato, quando a mesma alma regressava da Terra após haver cumprido a missão-sentença que lhe fora cometida. Regressava agora acompanhada da alma que na Terra protegera empenhadamente durante quase doze anos. As duas almas eram agora tão amigas, tão estreitamente unidas em face do bem enorme que a primeira havia podido proporcionar à segunda nos desvelos com que procurou protegê-la durante aquele período. Não só as marcas impressas na consciência da primeira haviam desaparecido de todo, como o seu foco de luzes espirituais se havia ampliado bastante. Aquelas duas almas de tal forma se irmanaram, que constitui hoje um prazer para todos nós observar como o trabalho santo realizado pela primeira conseguiu conquistar para sempre a amizade e gratidão da segunda.

Há que admirar no que aí fica, a solução dada pelo Senhor do Mundo ao caso do sofrimento mortificante daquela alma que falira na Terra. Em vez de castigo, de alguma punição para ela, determinou o Senhor que a mesma voltasse à Terra, sim, mas para ajudar e proteger a alma prejudicada. Eis aí uma bela lição para todos os viventes terrenos de todos os tempos, estimados leitores.

Em seguida eu vos darei uma idéia acerca de como se precaver cada um do envolvimento produzido pela tentação que campeia por toda parte, e tantos prejuízos e sofrimentos tem causado desde tempos imemoriais a gerações e gerações que passaram pela Terra. A melhor maneira de cada um se precaver contra as tentações não é absolutamente resistir-lhes quando as mesmas se manifestam. Quando as coisas chegam ao ponto da manifestação, quase sempre o envolvimento psíquico já está feito, e os remédios nem sempre atuam com eficácia. A melhor maneira de proceder contra o envolvimento pela tentação, não consiste, pois, em resistir-lhe. A melhor, senão mesmo a única maneira, é evitá-la permanentemente. E de que maneira? - perguntareis. A única maneira consiste em manter-se em permanente contato com as Forças Superiores por meio da oração diária na hora de deitar. A oração seguida de alguns minutos de meditação, além de outras e grande vantagens para o Espírito que assim procede, estabelece em torno do mesmo uma poderosa blindagem contra as más idéias, contra as idéias malsãs, dessas que apenas podem causar o duplo mal: àqueles que agem e aos que se tornaram vítimas.

Desejo então deixar bem claro que a ninguém beneficiam as más idéias, não só neste como em todos os mundos do Universo. Uma idéia que signifique uma violência contra o semelhante ou mesmo contra as obras da Natureza, os animais inclusive, é sempre uma idéia prejudicial a quem lhe der seguimento, uma vez que as conseqüências só podem trazer sofrimento. Estas idéias circulam por toda a parte em abundância, irradiadas por mentalidades doentias ou atrasadas dos planos inferiores do mundo espiritual, e devem ser repelidas por todas as mentes sãs. Para que isto se dê, a melhor maneira é a apontada acima, a única capaz de repelir as vibrações negativas portadoras dessas idéias malsãs. Se todos os homens e mulheres soubessem, ou quando bem o souberem, quais as incontáveis virtudes da oração e meditação noturna, um sem-número de infrações às leis divinas terá cessado completamente na Terra, e a vida nesta pequena esfera transformar-se-á num autêntico paraíso, tal como os que existem nos mundos mais evoluídos que a Terra.

Para encerrar o presente capítulo eu me ocuparei da forma de viver nos planos em que todos os habitantes já adquiriram o hábito do amor constante aos semelhantes, considerados reciprocamente como o próprio ser. Nesses planos de vida planetária existe, inato em todos os viventes, o sentimento profundo de que o bem e a felicidade do semelhante é o seu próprio bem, e sua própria felicidade. É assim muito comum nos planos a que me refiro, e aos quais muitos dos meus estimados leitores ascenderão ao fim de sua atual vivência terrena, é muito comum reunirem-se os habitantes às primeiras horas do dia em locais de grande beleza, parques floridos, por exemplo, a fim de se saudarem reciprocamente pela chegada de um novo dia e aí entoarem hosanas ao Criador. Por essa ocasião os mais categorizados informam-se acerca daquilo que possa estar faltando aos demais, a fim de providenciarem o respectivo suprimento. Este é um hábito de vários séculos nessas esferas ou mundos planetários, praticado às primeiras horas do dia. Em seguida procede cada qual à sua refeição matutina em geral constante de saborosos frutos possuidores de grande teor alimentício para os habitantes da esfera, ao fim da qual entregam-se todos às suas ocupações.

Os dias nessas esferas já bastante evoluídas decorrem na mais perfeita harmonia vibratória de seus habitantes, todos eles almas já possuidoras de grande luminosidade, adquirida através de milênios de trabalho e peregrinação em diversos outros mundos, desde aqueles em que primeiro se afirmaram como seres humanos conscientes, até aos já relativamente evoluídos como a Terra do século XXI.

Nessa longuíssima peregrinação as almas luminosas, habitantes privilegiados das esferas em referência, conseguiram eliminar da jóia que realmente são, todos os resíduos de carbono que ainda encobrem a luminosidade de milhões de outras que se encontram adiantadas em sua marcha, como vós, estimados leitores, mas sobretudo a um número ainda infinito das que vêm depois de vós, cumprindo existências mais e menos dolorosas em mundos inferiores a este em que já merecestes viver.

Eis aí, nas linhas que vos deixo, em rápidas pinceladas, o quadro representativo da vida e evolução espiritual dos seres humanos, através dos vários planos ou mundos estagiários. São escolas, entretanto, que se abrem por toda a parte do Universo, ao ingresso de todas as almas necessitadas de progresso e perfeição espiritual.