Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

17. O BEM E O MAL – livro: As Forças do Bem.



Por mais inacreditável que pareça, a pessoa humana representa o mais perfeito sentido do Bem e do Mal. Isto constitui uma verdade indiscutível entre os mais evoluídos seres da Natureza, que são os Espíritos de Deus, já possuidores de luz espiritual que os torna freqüentemente mensageiros divinos aos mundos em evolução.

O Bem e o Mal nasceram juntos, cresceram e vivem juntos, disputando-se mutuamente a primazia no poder junto da pessoa humana. O que faz distinguir o grau evolutivo da pessoa humana, é precisamente a sua maior ascendência às influências sugeridas pelo Bem, e às vibrações projetadas pelo Mal. À medida em que o ser humano consegue resistir às sugestões do Mal, recusando-se a pôr em prática essas sugestões, mais se identifica com o Bem e se afasta do Mal. São duas forças essas que se projetam igualmente sobre a pessoa humana para dominar-lhe os pensamentos e as ações; e não fora a consciência que existe em cada uma dessas pessoas, registrando, apurando e regulando as ações humanas, não haveria por certo evolução nem progresso para o Espírito, que é a única coisa que conta ao fim da existência física de cada homem ou mulher na Terra.

A consciência age como um verdadeiro juiz no íntimo de cada ser humano, não influindo contudo em suas deliberações, que lhe são inteiramente livres. Quem aceita e põe ou não em prática as sugestões do Bem ou do Mal é somente o Espírito, a centelha divina que existe no homem como na mulher, regulando-se ou apoiando-se nos julgados de sua consciência, que é quem lhe diz se tal ato é bom ou mau. E como pode a consciência humana apontar ao Espírito como bom ou mau um determinado ato? De uma maneira muito simples e, portanto, ao alcance de todas as inteligências. Quando o homem ou a mulher se dispuserem a praticar determinado ato, atitude ou ação, raciocinem da seguinte maneira, para ficarem sabendo se é bom ou mau: quando verificarem que no ato, atitude ou ação em vista, existe um princípio de caridade ou amor para com o próximo a quem esse ato, atitude ou ação se dirige, podem praticá-lo sem receio porque é bom, e seu Espírito será por ele beneficiado. Quando, pelo contrário, a consciência vos disser que semelhante ato, atitude ou ação, em vez de caridade, representará uma violência para alguém, então modificai vossa deliberação porque ides praticar um ato mau que, além de sobrecarregar vossa consciência com a violência decorrente, tereis de pagar pelas conseqüências, e o fareis no mesmo grau em que tiverdes molestado ao vosso próximo.

Como toda ação provoca uma reação igual e contrária, tudo aconselha a evitar a violência, seja em que sentido for, pelas conseqüências inevitáveis que seríeis forçados a sofrer. Ora bem. Isto posto, examinaremos em seguida por que existem ao mesmo tempo cursando a escola terrena homens — Espíritos — bons e homens maus. A razão é muito fácil de apresentar. Homens que vêm reencarnando há milênios, e portanto há milênios cursando esta grande escola evolutiva que é a Terra, e que, ao fim de inúmeras reencarnações, já puderam formar um conceito seguro, correto e decidido acerca do Bem e do Mal, e assim firmaram uma perfeita consciência do que realmente lhes convém para alcançarem mais rapidamente a luz espiritual, estes homens criaram já uma espécie de couraça para resistir às sugestões do Mal, e somente praticam atos de que possa resultar uma velinha a mais para o engrandecimento de sua luminosidade. A homens deste tipo nenhuma vibração ou sugestão tentará jamais a afastarem-se da rota que se traçaram, que é a da prática intransigente do Bem, da Caridade e do Amor ao próximo.

Provavelmente ao término da presente encarnação, os homens deste tipo irão viver em planos compatíveis com a sua evolução e não mais reencarnarão, porque já alcançaram a verdadeira felicidade. Quanto àqueles seres humanos que facilmente se deixam empolgar pela prática de ações menos dignas, aqueles que pretendem enxergar apenas a satisfação de interesses diversos, ou de diversas categorias, sem se preocuparem com o mal que possam levar aos seus semelhantes, até à violência máxima de lhes interromperem o fio da vida terrena, esses, irmãos meus, que Deus deles se compadeça porque terão de resgatar a dívida, a ofensa, a violência ou o que outro nome tenha, até ao último centavo.

A consciência dos seres humanos que ainda procedem desta maneira assemelha-se muito a um amontoado de terra, barro, argila e carvão, onde apenas pequenos lampejos perpassam, como resultado de ações de algum modo apreciáveis que foram por ela registradas. Perguntar-me-eis, porventura, o que sucede às vítimas de seres violentos, de fraca consciência, como os acima descritos. E eu com satisfação responderei o seguinte: alguns dos que tiverem sido vítimas das violências descritas, ou de outras, ou terão resgatado uma dívida por inteiro ou parte dela, contraída no passado, e assim se aliviaram desse fardo, ou, no caso de serem vítimas inocentes, o que é raro, terão alcançado um degrau a mais na escala evolutiva, em virtude da violência sofrida.

A vítima inocente, embora muito rara, também existe; e a maior de todas foi sem dúvida Nosso Senhor Jesus Cristo, que, animado dos melhores propósitos em relação aos homens da Terra, teve de sucumbir ao poder do orgulho e das ambições humanas, inconformadas com a sua pregação do amai-vos uns aos outros, porque somente o amor constrói para a eternidade. Esta foi a maior de todas as vítimas imoladas até agora na Terra. Foi a vítima da incompreensão e do ódio, o maior dos inimigos do coração humano. Seus algozes de há dois mil anos, assim como os que persistem em hostilizar sua ascendência incontrastável sobre todas as criaturas viventes na Terra, já resgataram ou continuam a resgatar a sua falta.


Que Deus vos esclareça a todos, meus queridos irmãos, para que jamais vos torneis algozes de vossos irmãos, é o que sinceramente vos deseja este vosso dedicado — Irmão Tomé.

16. AQUISIÇÃO DA LUZ ESPIRITUAL - Livro: As Forças do Bem.



Os homens criaram um regular número de instrumentos em todos os setores de atividade, que representam, sem dúvida, um notável adiantamento à vivência da vida na face da Terra. Com os novos instrumentos formaram máquinas, motores e numerosa série de aperfeiçoamentos nos diversos setores da vida humana. Fizeram, pois, o bastante para merecer a gratidão dos contemporâneos e também dos pósteros. Isto tudo, está claro, no que diz respeito à parte material da vida terrena. Só, e exclusivamente, neste particular.

Outro setor muito mais importante, contudo, bem pouco progrediu por iniciativa do homem, que não teve tempo de dele se ocupar, atarefado como tem estado no anteriormente citado: o setor dito espiritual, aquele precisamente que constitui o objetivo das sucessivas reencarnações. Muito poucos são os homens deste século que se têm preocupado com o progresso da alma, a fagulha divina que dá calor e movimento ao corpo, e que necessita de apurar cada vez mais o seu poder irradiante, que é a sua luminosidade. Alguns homens realmente se preocupam com este setor, é verdade, e algum progresso se fez nestes seis decênios, se bem que apenas a terça parte do que deveria ter sido feito.

Para cooperar, pois, com os homens, no desenvolvimento dos trabalhos espirituais na Terra, estão hoje em dia vivendo entre vós encarnados, alguns milhares de Espíritos de grande evolução, procurando aproximar-se de quantos possuam aptidões para receber sua palavra falada ou escrita, a fim de ajudar os demais a progredirem também, se o desejarem. Pena é que o cérebro físico, de tão grande impermeabilidade às idéias vindas do Alto, não as receba com a necessária clareza ou nitidez, para que possa cada ser humano melhorar pouco a pouco seu nível moral e, portanto, espiritual, a seu próprio benefício.

Aqueles que como eu tiveram a felicidade de encontrar num terreno as três condições indispensáveis ao êxito de sua tarefa: boa-vontade, aptidão e mediunidade, erguem louvores a Nosso Senhor por isso. É como o lenhador que para a derrubada da mata que lhe foi entregue, tem a felicidade de encontrar ou receber um machado de boa têmpera e em perfeitas condições de trabalho, cujo rendimento lhe proporciona alegrias em todos os instantes em que põe sua ferramenta em ação. Este é bem o caso: não só é minha ferramenta de boa têmpera, como está pontualmente à minha disposição para a realização do nosso trabalho conjunto.

Desejo entretanto, dizer a todos que estas páginas compulsarem, que a faculdade de trabalhar como intermediários dos Espíritos de Deus não constitui absolutamente nenhum privilégio. Não, meus irmãos; aquele de vós que desejar cooperar com os enviados do Senhor; visando ao adiantamento dos encarnados, pode realizar esse belo desejo, começando por se exercitar no manejo do lápis, sempre, de preferência depois do pôr do Sol. A partir das oito horas da noite e até às dez, por exemplo, essa tarefa torna-se mais fácil pela tranqüilidade operada nas vibrações dos planos próximos à Terra. Darei aqui uma regra que pode ser seguida por quem deseje exercitar-se na arte maravilhosa da psicografia, como intermediário dos Espíritos de Deus. É a seguinte: sentar-se comodamente à mesa em que resolver operar, a qual deve estar em lugar sossegado, silencioso. Deve estar munido de lápis e papel liso, branco. Em seguida deve elevar uma prece a Deus ou a Jesus, prece que tanto pode ser o Pai Nosso como formulada pelo próprio, pedindo a proteção das Forças do Bem para o exercício que pretende realizar. Feito isto, pegue do lápis e disponha-se a escrever. Pode parecer à primeira vista que nada tem para escrever, mas trace sobre o papel a palavra ou letras que ocorrerem à mente, porque em verdade alguém as está ditando. Escrevendo a primeira palavra, as demais lhe ocorrerão com facilidade crescente, até que, ao fim dos primeiros exercícios estará escrevendo correntemente.

Recomenda-se que para exercícios tais deve-se estabelecer dia e hora certos cada semana, tendo em vista que os Espíritos de Deus também têm suas ocupações a que não podem faltar. E se um filho da Terra lhes pede ajuda para trabalhar, eles que não a negam a ninguém, necessitam de estar sempre certos do dia e hora para não faltarem, e não faltam mesmo. Um conselho, porém: não tentem brincar com os Espíritos, quer perguntando-lhes aquilo que eles não têm permissão de responder, nem chamando-os apenas para um passatempo divertido. Eles não têm tempo nem permissão para divertir os encarnados, mas unicamente para ajudar, e ajudam realmente.

Este capítulo, um tanto à margem dos conselhos que venho transmitindo semanalmente, foi necessário para atender ao natural desejo de grande número de meus leitores, de poderem servir de intermediários de outros enviados como eu, e sê-lo-ão de fato. Muitas coisas há no Espaço para transmitir aos viventes da Terra, e do maior interesse para eles; aguarda-se apenas o desenvolvimento das aptidões mediúnicas latentes em todos os seres humanos, para que tais coisas possam ser grafadas no papel. Todos os homens e todas as mulheres são portadores de faculdades mediúnicas latentes, que se desenvolvem facilmente desde que haja boa-vontade, e espírito de cooperação com os mensageiros do Senhor. Havendo tais disposições, eles próprios se encarregarão do resto, proporcionando aos encarnados que os ajudarem uma ajuda cem vezes maior.


Eis, irmãos meus, um meio ao alcance de todos para a aquisição da luz espiritual, o que vale dizer, da verdadeira felicidade. Despede-se por hoje e vos abençoa o vosso dedicado — Irmão Tomé.

15. AINDA É TEMPO... Livro: As Forças do Bem.



Deus criou o mundo terreno, assim como está tratando da criação de outros, com a divina intenção de proporcionar aos Espíritos em fase de evolução todas as oportunidades de aquisição de conhecimentos e experiências de que necessitam, para poderem atingir a suprema perfeição.

No globo terráqueo, Deus colocou uma classe de Espíritos em relativa igualdade de conhecimentos, formando a sua população de cerca de dois milhões de anos. A maioria desses Espíritos aqui aportou das regiões siderais um sem-número de vezes, adquirindo em cada uma delas um novo grau de experiências, sempre correspondentes a um novo grau de progresso espiritual.

Todos os Espíritos assim reencarnados sempre gozaram da faculdade do livre arbítrio, utilizando-a a seu bel-prazer. Muitos, desgraçadamente, regressavam ao Espaço tão carregados de culpas, que ao invés de progredirem, haviam regredido em sua passagem correspondente pela Terra.

Vossa História está repleta de episódios terríveis, de prisões, sacrifícios, morticínios, ordenados por homens momentaneamente poderosos, cuja consciência de tal modo denegriram, que eles próprios se desconheciam em seu regresso aos planos onde a verdade não necessita de ser confessada, porque ressalta da aura de cada ser espiritual.

Esses Espíritos, entretanto, eles próprios imploraram oportunidades de regeneração na Terra, e aqui estiveram quase todos em situações que nem é bom descrever, para que sua serenidade atual não seja perturbada pelas reminiscências de um passado inteiramente sepultado no pó dos milênios transcorridos.

A Justiça Divina é, porém, tão perfeita, que ao passo que os ordenadores, responsáveis e executores dos horrores mencionados enegreciam suas consciências, e, por conseguinte, acumulavam trevas em torno de seus Espíritos, enquanto isso sucedia, as vítimas das violências, dos martírios e de toda sorte de perseguições, ganhavam um pouco de luz a mais, mercê dos sofrimentos que tiveram de suportar.

Um número por assim dizer, incontável, de Espíritos que freqüentaram a Terra desde os seus primórdios, tanto de dirigentes como de dirigidos, que são afinal os mesmos em revezamento continuado, já alcançaram planos bem mais adiantados do que este, onde mereceram viver, e de lá emitem constantemente vibrações de amor e fraternidade para os que ainda perlustram os tristes caminhos terrenos.

É forçoso registrar, infelizmente, que ainda vivem na Terra Espíritos que, pelo tempo decorrido, pelo número de existências aqui vividas e pelas freqüentes oportunidades que lhes foram proporcionadas, já deviam ter ascendido àqueles planos de que falei, e ser hoje mentores, dirigentes e guias espirituais da humanidade dos vossos dias. A estes, que preferiram desperdiçar o tempo em ocupações infrutíferas até para eles próprios; a estes Espíritos que seguidamente têm feito ouvidos moucos à palavra de Jesus e aos conselhos e observações de seus Guias espirituais, novo destino está para ser dado, para afastá-los de um planeta em que se estagnaram.

É bem triste dizê-lo, irmãos meus, mas é preciso dizê-lo alto e bom som, para que todos ouçam: esses irmãos que assim desbarataram oportunidades verdadeiramente preciosas para a sua evolução espiritual, vão levar os elementos do progresso aqui adquiridos a um mundo bastante inferior à Terra, onde as principais leis que regem a vida terrena ainda são desconhecidas. É bem triste dizê-lo, repito, porém a verdade deve ser dita o mais claramente possível para que todos a compreendam. Nosso Senhor Jesus Cristo tudo tem feito nestes dois mil anos decorridos desde sua estada em corpo físico entre vós, no sentido de que todos os terrenos pudessem despertar suas faculdades latentes por meio da oração e da prática do amor ao próximo, para atraírem as claridades que constituem o único objetivo de cada uma das reencarnações.

Alguns efetivamente o ouviram e se dispuseram a seguir os seus magníficos ensinamentos. Uma imensa maioria, entretanto, comodamente instalada na agradável prosperidade de bens materiais, tem feito o que vós denominais ouvidos de mercador e tem se deixado ficar à margem do progresso espiritual, infelizmente.

Nem tudo, porém, está perdido, meus queridos irmãos e amigos. Tempo será ainda, de proceder cada qual a um rigoroso exame de consciência e, se verificar que estas palavras lhe dizem respeito, reorganizar seus planos de vida e mudar de rumo. Mudar de rumo, sim, é bem o termo, Se seu rumo foi traçado exclusivamente na direção da prosperidade material, cujo objetivo natural seja a posse do maior volume possível de bens e valores terrenos, se esse for na realidade o rumo traçado, ainda é tempo de o modificar, operando um desvio de noventa graus que seja, na direção da única, da verdadeira fortuna que um ser humano pode alcançar na Terra: a luz espiritual.

Foi para grafar estes conselhos que este vosso irmão foi designado, vindo de uma região em que a paz, a luz e a serenidade, a felicidade enfim, existem em estado permanente, com o objetivo de dizer aos homens e mulheres da Terra que ainda é tempo, que nada ainda está perdido para aqueles que tiverem olhos de ver e ouvidos de ouvir. Aqueles a quem minhas palavras sensibilizarem e se decidirem a modificar seus hábitos e pensamentos, têm à mão a fórmula mágica que lhes proporcionará a tranqüilidade presente e a felicidade futura: orar diariamente, atraindo idéias novas, inspiração e ajuda para a sua vida terrena. Façam isso a título experimental se quiserem e me digam depois o resultado.

É fato bastante conhecido no mundo, e por isso só em resumo o citarei para aqueles que o desconheçam: a fortuna reunida pelos homens em seu incansável labor terreno não é transferível por direito divino àqueles a quem seu proprietário imagina, no caso os filhos ou parentes próximos. Não, meus irmãos. E isto porque, em vez de um bem, a posse da fortuna havida por meio de herança, pode vir a constituir um mal para o herdeiro. Tendo cada Espírito encarnado sua tarefa a desempenhar, e devendo fazê-lo em determinadas condições, tendo nascido em lar opulento ou abastado, a parte que lhe couber por herança diluir-se-á sem que ele o sinta, enquanto que outros herdeiros de igual fortuna poderão conservá-la. É que o primeiro não possuía o direito divino à herança e por isso ela fugiu de suas mãos. Aqueles que, por sua vez, herdaram e conservaram a fortuna, esses foram ou estão sendo experimentados numa das mais difíceis provas terrenas: a da fortuna, riqueza ou abundância. Do bom ou mau uso que dela fizerem, por conseguinte, terão ajuntado mais luz aos seus Espíritos, ou terão preparado uma próxima encarnação de dificuldades, sofrimentos, ou até de miséria material, porque inclusive mendigos podem vir a ser.

Vejam por este resumo os chefes de família que esquecem deveres espirituais, por se encontrarem enredados no cipoal de seus interesses materiais; vejam, irmãos meus, o quanto de riscos podem estar acumulando para seus descendentes, com a única preocupação de os deixar bem quando tiverem de partir de regresso aos planos do Espírito.

Meditem nestas palavras todos quantos tiverem a fortuna de as ler, e refreiem um pouco a ambição de ganhos na Terra, em favor da tranqüilidade e da felicidade do Espírito. Orem, orem regularmente, até por interesse, porque unicamente para si o fazem. E da oração constante uma grande consolação resultará.


Se precisarem de mim em algum momento, peçam a Jesus, que com sua permissão imediatamente se aproximará de vós o vosso dedicado — Irmão Tomé.

14. O HÁBITO DA ORAÇÃO DIÁRIA - Livro: As Forças do Bem.



O infinito amor do Divino Mestre pelos seus irmãos terrenos tem sido ininterruptamente demonstrado durante milênios decorridos, por um sem-número de enviados a este pequeno mundo de Deus. Ele próprio aceitou o duro sacrifício de tomar um corpo de carne para pessoalmente falar aos homens e mulheres da Terra, e todos sabemos o que resultou desse sacrifício feito há precisamente dois mil anos. Não foi a palavra do Senhor recebida com a merecida atenção pelos homens de então, que preferiram até crucificar o Divino Mensageiro, tomado e julgado como impostor e revolucionário perigoso para a paz e tranqüilidade das populações da época. Sua doutrina de amor e perdão não mereceu maiores atenções dos potentados do momento, que cuidavam mais dos seus interesses de casta do que mesmo do bem-estar social dos seus semelhantes.

Como, entretanto, não há mal que sempre dure, chegou finalmente o tempo em que uma nova maneira de viver deverá surgir na Terra, a qual será em breve conhecida em todos os quadrantes, e aceita e seguida por todos os povos. A Lei do Amor e do Perdão está sendo novamente incrementada no coração dos homens e mulheres para que se constitua realmente em Luz Irradiante por toda a superfície terrena.

Grandes novidades estão para surgir no campo científico em benefício dos seres humanos, terminando algumas delas com grande parte das enfermidades que até agora têm resistido aos meios empregados na sua debelação. Com o progresso a ser alcançado igualmente no emprego de novo combustível, novos meios de transporte vão surgir para maior comodidade dos homens, tanto em terra como no mar e no ar, sendo que neste último elemento alcançará o homem a quase perfeição e maior segurança nos meios de comunicação. Já se encontram entre vós aqueles que deverão produzir esses melhoramentos, uns já cursando vossas universidades, outros ainda se preparando.

Olhai com todo o amor para essas crianças que alegram os lares terrenos e procurai cercá-las do necessário carinho, a fim de que possam desenvolver e pôr em prática, na presente existência, os conhecimentos científicos de que são possuidoras. Sobretudo é necessário que se estabeleça a maior harmonia nos lares onde existem crianças, e que seus pais ou responsáveis se incumbam de despertar nelas os melhores sentimentos de fraternidade e amor para com os semelhantes. Lares foram constituídos e outros o estão sendo por Espíritos escolhidos para darem corpos físicos aos enviados do Senhor, para desempenhar missão nobilíssima junto aos seres humanos. Uma das maiores dificuldades para a consecução deste objetivo tem sido a fortaleza moral necessária aos cônjuges terrenos, na constituição e manutenção dos lares em que tais enviados devem aparecer. Para descobri-los desde sua partida para a Terra, trabalham incansavelmente muitos milhares de Entidades a serviço do Senhor, cujo objetivo é selecionar, preparar e acompanhar aqueles a quem será concedida a graça de receberem como filhos, almas já possuidoras de grande evolução espiritual, e por isso portadoras de notáveis conhecimentos científicos para a Terra.

Um dos diversos requisitos que aos futuros pais se tem apresentado para tão nobilitante missão, é o hábito da oração diária, se possível pela manhã e à noite, com o fim de conservarem permanentemente limpo o campo mental, de influências perturbadoras incumbidas de embaraçar, com sugestões maléficas, o bom êxito dos trabalhos de Nosso Senhor. O hábito de orar deve ser considerado como o melhor meio de os encarnados obterem tudo aquilo de que possam necessitar para a sua felicidade na Terra, afastando concomitantemente vibrações que visam exclusivamente ao contrário do que lhes convém. A luta entre os agentes do bem e do mal é simplesmente terrível, meus queridos irmãos, em todos os setores da vida; e é através dessa luta que os Espíritos encarnados podem demonstrar suas inclinações. Se se tornarem acessíveis às influências perturbadoras, seguindo-lhes as más sugestões, poderão encontrar-se a cada passo galgando a margem do abismo em que caíram, para recomeçarem nova vida terrena. Se, pelo contrário, souberem repelir essas más influências, o que só se consegue por meio do hábito da oração diária, não estarão apenas vencendo testes com eles próprios, como alcançarão firme e seguramente um alto grau de paz e felicidade, que jamais permutariam por todas as riquezas da Terra. Uns e outros são constantemente observados pelos mensageiros do Senhor, que nos determina ajudar de toda maneira os que souberem resistir às tentações do mal, e procurarmos salvar aqueles que delas se tornarem vítimas. Aos primeiros tudo se lhes dará, porque muito ainda se lhes pedirá; enquanto que aos últimos se amparará para que possam recuperar-se.

Com estes esclarecimentos, irmãos meus, claro está que Nosso Senhor não abandona a nenhum dos seus governados terrenos, e tudo empreende com a finalidade de ajudá-los a vencer os obstáculos do caminho que devem percorrer. Mas, como necessita de colaboradores na Terra para o aceleramento da evolução de todo o planeta, não regateia ajuda nem recompensa àqueles que souberem resistir às forças do mal, para se constituírem novos apóstolos do bem. Desejo insistir em que Jesus não deseja fanáticos que o adorem, mas apóstolos que o ajudem na sua obra de aperfeiçoamento moral da Humanidade. Ele não reconhece mérito algum naqueles que muito se ajoelham e batem no peito o mea culpa; absolutamente. Desses nenhuma contribuição se pode esperar, porque cuidam apenas de si; ao passo que a melhor maneira de servir a Nosso Senhor é fazer algo em benefício dos semelhantes. E isto é tarefa ao alcance de todos. Um conselho, uma ajuda material que possa resultar num bem para alguém constituem meios de colaborar na grandiosa obra da evolução humana.

É mister esclarecer que o hábito da oração diária não deve ser entendido como um meio de agradar a Jesus, porque Nosso Senhor não necessita dessa oração. Esse hábito tem a finalidade precípua de o indivíduo que o pratica proteger-se a si mesmo contra as terríveis vibrações do mal, e poder construir e manter sua própria felicidade. Este esclarecimento torna-se necessário em face de certos ensinamentos desde muito divulgados na Terra, de que é preciso orar para agradar a Deus. Não, meus irmãos. Para Deus como para Nosso Senhor, é indiferente que o filho ore ou não. Desse ato nem Deus nem Jesus lucram seja o que for. O filho que ora, esse sim, é que se beneficia dos eflúvios que atrai sobre si mesmo, eliminando do seu campo magnético os miasmas, larvas mentais e outros detritos que o possam prejudicar em sua vida e felicidade. Assim, desejo repetir uma vez mais: quem ora a Deus e a Jesus, está orando para si mesmo, assim como aquele que faz a sua refeição alimenta-se a si próprio e não a Deus, que não toma conhecimento desse ato. Isto é uma verdade incontestável.

Perguntar-me-eis provavelmente: — Então aquele que ora pedindo a proteção de Deus ou de Jesus, não a recebe? Eu vos responderei que todo ser humano é constituído dos dois pólos magnéticos, positivo e negativo, suficientes para atrair tudo quanto necessite para o seu bem-estar. Quando, pois, o ser humano sente falta de algo e resolve orar para consegui-lo, ele está apenas projetando luz em seu campo mental em forma de vibrações, as quais, tal seja o fervor de sua oração, efetuarão a limpeza psíquica naquele setor, ajudando o pólo positivo a atrair o que haja motivado a oração.


Este assunto é longo e eu prosseguirei em outro capítulo de meus conselhos. Saúda-vos com efusão o vosso dedicado — Irmão Tomé.

13. CAMINHO SEM RETORNO – Livro: As Forças do Bem.



Havia nos tempos de antanho, muito antes que a Terra começasse a receber os primeiros seres humanos, um clima somente suportável por animais que hoje são designados pré-históricos. Preparado que foi o solo terreno para ser palmilhado pelo homem, e nele lançada a semente de um sem-número de vegetais que haviam de servir de alimento aos primeiros seres humanos, tratou o Criador dos universos de selecionar, entre as classes espirituais, os Espíritos que deviam encarnar em o novo planeta, e aqui desenvolver suas faculdades latentes até alcançarem o nível evolutivo a que deveriam ascender.

Dizer o que foram os tempos decorridos desde então, através das várias épocas consignadas pela vossa História Geral, é tarefa desnecessária neste momento, porque pertence a objetivos que não pretendo abordar em meus conselhos de hoje. Direi apenas que os Espíritos designados para evoluir na Terra aceitaram de bom-grado essa designação, sem cuja anuência não poderiam vir a este planeta. Com sua anuência em virem para a Terra, receberam demoradas, repetidas e completas instruções acerca dos seus deveres como Espíritos encarnados para com Deus, o Pai Celestial, tendo sido ainda cientificados do prazo máximo de que poderiam dispor, para aqui alcançarem o grau evolutivo necessário à sua iluminação espiritual.

Juntamente com esses Espíritos em princípio de evolução, e, portanto, destinados por assim dizer, à aprendizagem do A B C evolutivo, a misericórdia do Pai fez baixarem à Terra outros Espíritos já bastante evoluídos, que hoje são designados entre vós como Profetas, Sábios e Patriarcas, incumbidos da feitura das leis humanas que passariam a reger a vida terrestre. Tudo foi predeterminado, pois, com sabedoria e amor pela magnanimidade do Pai Celestial, para que nada faltasse aos filhos que vinham habitar o novo planeta.

Se bem que a Divina Sabedoria tudo saiba e preveja com séculos e até milênios de antecipação, foi contudo com profunda melancolia que o Criador dos universos acompanhou a excessiva lentidão com que a grande maioria dos Espíritos terrenos (porque vivem na Terra) caminharam ao longo de numerosas existências no sentido de sua iluminação.

Para estudar meios de apressar esse desideratum, vários Conselhos Espirituais têm sido reunidos no Espaço, resultando no envio à Terra de numerosos missionários, reencarnados em todas as latitudes do Globo, com o objetivo de esclarecer, ajudar e conduzir os encarnados ao caminho do seu aprimoramento moral, o que vale dizer da sua iluminação espiritual.

De todos os esforços feitos em tal sentido, o mais notável foi sem dúvida o que empreendeu o filho do carpinteiro de Nazareth, Nosso Senhor Jesus Cristo, de cujo exemplo, entretanto, bem poucos aproveitaram, mergulhados como permaneceram nas trevas da vida terrena uns, nas ambições de domínio outros, e aqueles que deveriam conservar-lhe a doutrina e o exemplo, transformados por si mesmos em pretensos ministros de Deus, mas sem nenhuma credencial para isso, enlevados em sua própria grandeza, luxo e ostentação.

Em face, pois, da realidade terrena dos dias que correm, e da imprescindível quanto inadiável necessidade de transformação do atual estado de coisas, uma vez que esgotados se encontram todos os prazos e prorrogações concedidos ao ser humano desde aqueles tempos de antanho, um dilema está posto perante quantos se encontram neste momento com os pés firmados na face da Terra, que é o seguinte: meditarem seriamente nos objetivos da vida humana como finalidade evolutiva do Espírito, e neste caso procurarem reformular todos os seus planos de vida, ou, de outro modo, prepararem-se para seguir um caminho provavelmente tão longo e tão áspero, que talvez um bom número de caminheiros não consiga percorrê-lo, por lhe faltarem as forças para isso a certa altura da viagem.

Os que caírem pelo caminho podem estar de antemão informados de que nenhum socorro lhes poderá chegar, porque nessa região ainda não existe nenhuma organização socorrista. O recurso único em tal circunstância será este: valerem-se da prece sentida, verdadeira, e voltarem seu coração para aquela Fonte Suprema do Bem, que é Deus, o Pai Celestial, e procurarem fazer de suas fraquezas forças para prosseguirem, porque desse caminho não se retorna. O caminho do retorno é bem outro, o qual, entretanto, só aparece onde finda o primeiro...

Meus irmãos queridos: talvez as minhas palavras possam parecer-vos exageradas, na descrição que faço acerca do futuro que vos aguarda, porém eu vos asseguro que o não são. Longe de mim a idéia de pretender infundir o terror em vossos corações por meio destes conselhos que fui incumbido de trazer-vos. Mas resta-me a consolação de vos reafirmar que todas as possibilidades de seguirdes o caminho da luz estão à vossa frente, e todos podereis utilizá-las porque tendes para isso o vosso livre arbítrio.

Sustai por um instante em cada vinte e quatro horas a vossa preocupação de enriquecer, de subir, de mandar, de governar, de dominar os outros, e meditai sobre o que podereis fazer para alcançar a graça de Deus em vossos trabalhos e em vossas relações sociais. Eu vou deixar convosco uma espécie de fórmula, que em falta de outra melhor, todos podeis adotar para saberdes prontamente quando estareis caminhando certo ou errado em vossa vida. É a seguinte: Quando tiverdes de tomar uma resolução, uma providência, em vossos afazeres constantes, quando vos predispuserdes a efetuar a prática de um ato particular ou público, imaginai por um momento que Jesus, Nosso Senhor e Mestre, esteja presente ao vosso lado, e tomará conhecimento da vossa deliberação. Se vos parecer que Jesus a aprovará, praticai-a sem receio porque é boa, meritória. Se, ao contrário, vossa consciência vos disser baixinho que essa deliberação será desaprovada por Ele, por contrária aos princípios que regem as leis da moral, da caridade e do amor ao próximo, neste caso sustai semelhante ato, resolução, medida ou o que for, porque ela seria inconveniente, prejudicial e contrária à vossa felicidade, à vossa iluminação espiritual. Ao passo que, deixando de dar-lhe efetividade, sinal será de que o vosso Eu Superior que é a centelha divina que habita em vós, passou a orientar vossa vida e vossos atos no caminho do bem, da luz e da vossa felicidade.


Perdoai, queridos irmãos, porque é para o vosso bem, a insistência deste vosso afeiçoado — Irmão Tomé.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

12. A FONTE ETERNA DO SUPRIMENTO – Livro: As Forças do Bem.



A vida terrena, tal como deve ser vivida, constitui um autêntico meio de aprimoramento do Espírito, pelos conhecimentos que a todo momento lhe proporciona. Isto, bem entendido, como esta vida terrena deve ser vivida, e não como uma grande maioria de seres humanos entende e insiste em perlustrar o solo terreno, durante encarnações numerosas bem pouco frutíferas.

A Terra foi constituída em planeta habitável para a espécie humana, com objetivos já declinados em capítulo anterior, visando à iluminação dos Espíritos destacados para aqui alcançarem os numerosos graus evolutivos de que carecem, até chegarem à perfeição espiritual que é a meta de todos os seres do Universo.

Concedido o livre arbítrio ao Espírito encarnado, bem depressa verificou o Criador, o quanto este divino dom se tornou pernicioso aos homens em sua grande maioria, preponderando quase sempre as baixas tendências do instinto, sobre as verdadeiras necessidades do Espírito. E o descalabro chegou por vezes a tal ponto que os Dirigentes Espirituais não tiveram outra alternativa, senão fazer desencadear a violência através dos prélios guerreiros, de que está repleta a História dos povos, a fim de conter e anular o oceano de ambições humanas surgido de século em século.

Tudo, entretanto, tem de ter um fim, à exceção do Espírito, cuja vida mergulha naturalmente pela eternidade em fora. E assim sendo, um fim está prestes a ser posto às desmedidas ambições humanas, desviando-se-lhes o rumo para melhores destinos. É mister que as melhores energias da alma sejam aplicadas ao seu próprio engrandecimento, pela aquisição de conhecimentos e experiências em vários dos setores humanos, em cada uma de suas estadas na Terra, abandonando de vez o culto do instinto com seu cortejo de ambições de grandeza e poder meramente material, transformado por si mesmo em prejuízo para o Espírito.

O Espírito, irmãos meus, não necessita de poderes materiais, nem eles podem servir para a sua ascensão na escala espiritual. O único bem que o homem pode proporcionar ao Espírito, ou seja, a si próprio, é o que de bom, de útil e proveitoso consiga realizar em favor do seu próximo aqui mesmo, neste plano de vida. E para aqueles cujo coração se encontre preparado para receber e pôr em prática estes conselhos, não faltará oportunidade nem meios de fazer algo em tal sentido. Bem sei que numerosos irmãos a quem estes conselhos chegarem ou deles notícia tiverem, manifestarão de pronto sua disposição de pôr em prática o que eu lhes aconselho, mas certamente lamentarão a falta de meios para ajudar, para repartir, para proporcionar felicidade ao seu próximo, o que fariam em boa escala se haveres, fortuna ou prosperidade tivessem. A esses eu ensinarei qual o meio a utilizarem, muito fácil, muito prático e extremamente eficiente, ao alcance de qualquer mendigo que seja. Se não possui nada para dar; se suas posses falharam na presente existência. quando precisamente sentem tocado o coração pelo desejo de ajudar, então lancem mão deste valioso recurso para auxiliar o próximo: todas as noites, ao deitar, ponham o joelho em terra, concentrem-se por um instante e em seguida elevem seu pensamento àquela Fonte Eterna do Suprimento que é Deus e peçam, peçam sincera e fervorosamente tudo de bom para seus irmãos necessitados, lembrando-se dos que não possuem teto enxuto sob o qual possam repousar o corpo durante a noite; lembrando-se dos milhares de irmãos que se encontram nos hospitais ou doentes em seus lares, impossibilitados de ganhar o pão de cada dia; lembrando-se daqueles que vieram ao mundo privados da luz dos olhos e necessitam de se alimentar para viver sua vida atual; lembrando-se enfim de quantos, ainda pequeninos seres à mercê das intempéries humanas, necessitam de amparo, educação e encaminhamento pelos caminhos do Senhor.

Aí está, irmãos meus, um meio altamente eficaz de praticar a caridade e o amor ao próximo, quando não se possui outros meios de ordem material para isso. O pedido assim elevado chega aos pés de Deus ampliado na proporção do número de Espíritos encarnados que o produziram, o qual se transforma numa corrente magnética extraordinariamente poderosa, em favor da melhora das condições ambientes de quantas classes forem lembradas. Uma vibração espiritual então se formará no Alto com o fim de ajudar a todos aqueles necessitados, e os ajudará realmente, graças à onda mental projetada por aqueles que pediram. E, como quem dá também recebe em proporção igual, todos os encarnados que se lembrarem dos seus irmãos necessitados, receberão uma ajuda igual àquela que para outros pediram a Deus, a Fonte Eterna do Suprimento.

Isto quanto aos irmãos que não têm nada de material para dar. Quanto aos encarnados a quem a deusa da fortuna aquinhoou, esses serão tocados em seu coração pela onda vibratória concentrada no Alto, e, por muito endurecido que seu coração possa realmente ser, sentirão um certo desejo de fazer algo pelo próximo; e nesse momento todos nós, mensageiros do Senhor, aproveitamos esse bom sentimento para lhes transmitirmos idéias filantrópicas dia após dia, e ei-los ajudando materialmente aos seus semelhantes necessitados, com o que sentirão em seguida momentos de verdadeira felicidade. Mas não é só, irmãos meus; algo mais acontece em favor daqueles que ajudam, e que supera de muito o muito que possam dar. É que, tocados que foram em seu coração por um sentimento bom que os levou a ajudar o próximo, a mesma corrente vibratória que tal sentimento lhes inculcou, eliminou concomitantemente do seu campo mental a marca de atos (faltas) ou procedimentos que em futuro próximo ou remoto poderiam acarretar-lhes sofrimentos correspondentes. Estará funcionando neste princípio a chamada Lei do Perdão, que ameniza ou elimina a pena em face de um ou mais atos bons praticados pelos Espíritos faltosos. O que em vossas letras jurídicas considerais bons antecedentes para reduzir a pena do réu, na ordem espiritual funciona a posteriori: se o encarnado faltoso passou a praticar atos meritórios capazes de o absolverem, ele será realmente absolvido, perdoado, e, por fim até ajudado, desde que se haja tornado útil à comunidade humana de que faz parte.


Eis um conselho a mais para a vossa meditação, irmãos meus, este que aqui vos deixa o vosso dedicado amigo e — Irmão Tomé.

11. GOVERNAR COM ÊXITO – Livro: As Forças do Bem.



Muitos homens da presente geração, dentre os que se encontram à frente da direção dos povos, estão vivendo pela última vez sua encarnação terrena. Já aqui estiveram numerosas vezes e tiveram também em suas mãos o destino dos países e dos povos que presentemente governam. No último estágio que desfrutaram no mundo espiritual, foram esses homens convenientemente instruídos acerca de sua missão na Terra nos dias que correm, e todos se comprometeram a usar o poder exclusivamente para o bem dos seus governados. Certo é em verdade, que o cérebro físico do ser encarnado não consegue recordar muitas vezes o que lhe está gravado na memória espiritual, e daí os desvios de ação administrativa que freqüentemente ocorrem, conduzindo não poucos desses homens à prática de violências, com a supressão do que se convencionou chamar liberdades públicas.

Isto acontece, ainda, também em virtude de outros fatores. Todos esses homens a quem a Providência concedeu o privilégio da função de governar frações deste minúsculo planeta, todos esses homens estão cercados e assistidos por três grupos de auxiliares, ou assessores. Têm todos eles o seu gabinete formado de homens escolhidos entre os que lhes parecem mais capazes ou mais afins com o seu modo de pensar em face dos problemas administrativos e políticos, cuja palavra ouvem com atenção e seguem ou não segundo seu próprio raciocínio ou interesse. Desse grupo de seres encarnados fazem parte, por sua vez, dois tipos distintos: os que se devotam com sinceridade ao mister de aconselhar somente para o melhor êxito da tarefa de seu chefe, e os que se aproveitam da oportunidade que pode ser-lhes a última, de subir um pouco mais na carreira que abraçaram, e tudo fazem, pensam e dizem, unicamente com esse objetivo reservado. Isto quanto aos auxiliares, assessores, ou mesmo os de mais elevada categoria.

Há, entretanto, cercando, auscultando, vigiando os menores atos desses homens, a quem chamarei aqui Chefes de Estado, dois outros grupos de seres invisíveis que influem no que podem, em relação aos atos por eles praticados. Falarei primeiro dos seres invisíveis que se empenham (e de que maneira!) em desviar-lhes o pensamento e alterar-lhes o raciocínio, para que seus atos determinem a sua queda, desastrosa se possível, perante seus governados e, conseqüentemente, perante o próprio mundo, conduzindo-os ao fracasso e à ruína político-administrativa. Este grupo de invisíveis dispõe de grande poder, sobretudo pela habilidade que possui em divulgar como atos infelizes certos procedimentos colhidos do elemento por eles visado. A todos os momentos esse grupo de invisíveis procura inspirar ao governante as idéias mais estapafúrdias, na tentativa de alcançar seu desejado objetivo: o fracasso mais espetacular. Isto eles o fazem como procedimento normal de Espíritos maldosos que ainda são, mas também por espírito de vingança sugerida por faltas cometidas contra eles em anteriores encarnações. Este último motivo é assaz poderoso, e por vezes conduz o visado à derrota e ao sofrimento.

O outro grupo de assessores invisíveis do Chefe de Estado é constituído por Entidades luminosas, que pelo seu devotamento ao bem da Humanidade, se reúnem em torno dos encarnados detentores de poderes sobre seus semelhantes, e tudo fazem no sentido de neutralizar as más influências dos Espíritos malévolos, projetando sobre a mente daqueles a quem desejam ajudar, idéias sãs, úteis e por isso progressistas, visando à felicidade e ao bem-estar de todos os governados ou por eles conduzidos. Uma espécie de luta então se trava no plano invisível, entre os inspiradores do bem e do mal, da qual o governante nem sequer suspeita, sendo ele, não obstante, o decididor dessa luta.

Como assim? — perguntar-me-eis. E eu vos responderei que, tal seja o nível moral, a conduta, o procedimento e os sinceros objetivos desse homem, a balança penderá para um ou outro lado: para o êxito da sua administração ou para o seu fracasso. Partindo do célebre princípio de que os semelhantes se atraem, a vida, a conduta moral e os sinceros objetivos visados por esse homem público, farão prevalecer as boas influências que o cercam, ajudando-o, inspirando-o, aconselhando, sugerindo e divulgando medidas verdadeiramente úteis, ou, de modo oposto, ele próprio dará a vitória às forças do mal e então sua queda pode ser definitiva.

Gostaria então que me perguntásseis, finalmente, vós todos que me ledes: Haverá porventura um meio de os nossos Chefes de Estado alcançarem vitória sobre essas poderosas forças maléficas, e seguirem fielmente a inspiração das Forças do Bem?  Há, sim, irmãos meus; e todos os governantes do mundo que conseguiram no passado e os que no presente conseguem realizar administrações realmente úteis e progressistas utilizaram e utilizam esse meio, que é único. Consiste esse meio tão simples mas verdadeiramente eficaz, em colocar-se o homem diariamente em comunhão mental com Deus, no recolhimento do seu lar, como no silêncio do seu gabinete quando algum fato, assunto ou problema de magna importância se lhe apresente para resolver, pedindo a Deus a ajuda das Forças do Bem, sua inspiração e auxílio, mas faça-o sincera e devotadamente, para que as luminosas Entidades que o cercam, possam transmitir-lhe a idéia que pode ajudá-lo a solucionar acertadamente o problema. É esta uma fórmula que não falha, porque nada falha quando a divina inspiração e ajuda são solicitadas.

Aí tendes, queridos irmãos, uma fórmula que deve ser utilizada, não só pelos Chefes de Estado como também por quantos desejem afastar as pedras do caminho. Se a empregarem todos os governantes da hora que passa, afastadas estarão para sempre as perspectivas de luta entre os povos e o progresso humano não terá limites.

Os governantes, mais do que ninguém, necessitam de examinar-se intimamente, perscrutar suas tendências e objetivos, para melhor poderem contar com a ajuda de Deus em suas árduas tarefas; porque, se disto se divorciarem, ai deles nos tempos que estão por vir...


Meditem sobre isto quantos detêm em suas mãos uma parcela de poder, e certamente bendirão um dia mais este conselho de seu dedicado amigo — Irmão Tomé.

10. A FINALIDADE DA TERRA -Livro: As Forças do Bem.




Quando o Criador dos universos intentou dar início à formação da Terra, teve primacialmente em vista estas duas finalidades: fazer deste novo planeta o paraíso da espécie humana, ou melhor dizendo, dos Espíritos revestidos de carne, e fazer que aqui se procedesse à formação de Messias e Profetas, aptos ao desempenho de missões santificantes em outros mundos em preparação.

Dos dois objetivos primaciais, nenhum ainda foi alcançado, decorridos que foram já, mais de dois milhões de anos da existência da Terra como mundo habitado.

E esse fato é devido à circunstância por todos os motivos lamentável, de que os Espíritos para aqui destacados, esquecem-se totalmente dos compromissos assumidos no plano espiritual, uma vez instalados no plano físico.

Outro dos motivos que muito têm contribuído para esse esquecimento, é o conforto material de que ambicionam cercar-se quando sua faculdade inteligente começa a manifestar-se, relegando a plano secundário tudo o que não possa, a seu juízo, contribuir para alcançarem esse desiderato. Esforços sobre esforços vêm sendo empregados pelos Altos Dirigentes Espirituais da humanidade terrena, para incutir em sua mente os elevados objetivos que se comprometeu a perseguir, quando convenientemente instalada na Terra, mas tudo tem sido debalde, ante uma vontade mais forte de aqui enriquecer, de adquirir poder, prestígio e honrarias que tornem a criatura falada, admirada e até invejada pelos semelhantes. Infantilidade, pura infantilidade tal objetivo, porque, mesmo conseguido, cedo a criatura se convencerá de que não valeu a pena tanto esforço, sacrifício até, para honras demasiado vãs e efêmeras por fim.

O que constatamos então, nós, do Alto, quando designados para receber, consolar e orientar os milhares de seres espirituais que aqui desencarnam todos os dias? O que constatamos nós? — repito. O mais triste e doloroso dos espetáculos, ao contemplarmos irmãos valorosos que aqui cumpriram tarefas durante várias dezenas de anos, seres que receberam no Alto uma preparação especial para desempenharem missões relevantes, meritórias, em favor do progresso moral de seus contemporâneos, mas que, por desvio de princípios educativos ou mesmo de tendências oportunistas, perlustraram uma existência absolutamente inócua, porque nada fizeram do muito que se haviam comprometido a fazer.

Não poucos desses irmãos, possuindo no íntimo o desejo sincero de servir ao próximo, deixaram-se vencer pela tentação eclesiástica, ingressaram nesse serviço, e ei-los estiolados em suas verdadeiras aptidões, pela disciplina a que tiveram de submeter-se nas ordens religiosas em que ingressaram.

Esses irmãos rezaram muito, é verdade, mas rezaram simplesmente por dever e não passaram de rezadores de profissão, sem outro mérito a ornar-lhes o Espírito, resultante de esforço próprio, de iniciativas suas, em favor dos semelhantes. Chegam assim ao Espaço esses irmãos, como disse completamente estiolados e a maioria deles até privada da faculdade de autodeterminação como conseqüência, de uma existência inteira de subserviência. Nós deles nos condoemos, é verdade, mas não podemos compensá-los do precioso tempo que perderam.

A maioria destes irmãos, uma vez recobrada sua lucidez anterior ao mergulho que deram na carne, penitenciam-se empenhadamente, procurando servir os necessitados de orientação e instrução moral, executando inclusive tarefas que não estão para a sua situação espiritual. Se me permitirdes aplicar ao caso uma imagem terrena, capaz de fazer compreender melhor quais sejam as tarefas a que voluntariamente se devotam os irmãos a quem me venho referindo, eu vos direi que muitas delas se assemelham às de arrecadação do lixo nas ruas das grandes cidades, e ao varrimento e limpeza de lugares menos salubres que existem por aqui.

Isto, entretanto, eles o fazem numa ânsia de servir com humildade, com devotamento, no desejo muito natural e altamente dignificante de compensarem com trabalhos rudes no Espaço, a ausência de esforços meritórios na Terra. Mas Deus, que é a Suprema Bondade, sugere sempre a Nosso Senhor que receba, abençoe e perdoe a esses filhos o lapso de memória em que viveram sua existência terrena, reconhecendo que as vibrações exclusivamente materiais deste planeta e o tipo de alimentação preponderante para o ser humano, podem muito contra as vibrações puras do Espírito. E assim, encerrada desse modo uma reencarnação, inicia o Espírito daqueles irmãos uma nova fase de preparação para novo mergulho na carne, com renovadas promessas de se empenhar a fundo na prática do bem e do amor ao próximo, como tantas vezes o fizera antes...


Irmãos meus e amigos meus: é tão intenso e profundo o desejo que me anima de ver a todos os que me lêem, receber do Alto o merecido prêmio dos bons e dos justos, que um único conselho vos trago, um único conselho que frutificará maravilhosamente em vossos corações, enchendo-os de felicidade em dias que se aproximam aceleradamente e que é este: corrigi de pronto vossos desregramentos, vós todos os que os tiverdes, e voltai a partir de hoje os vossos pensamentos de todos os dias para aquela Fonte Inesgotável de Amor e Bondade que é Nosso Senhor e Mestre Jesus, oferecendo-lhe diariamente boas obras, boas ações em favor daqueles que vos cercam, e também dos que vos servem, entre os quais descobrireis, se o tentardes, Espíritos de maior envergadura moral do que a vossa. Isto vos aconselha de todo o coração e até vos pede, este vosso incansável amigo e — Irmão Tomé.

9. SÓ O AMOR CONSTRÓI PARA A ETERNIDADE – Livro: As Forças do Bem.



Os homens do passado sempre estiveram empenhados no que bem se pode denominar o seu único bem-estar, sem ligarem maior importância ao bem-estar alheio. Construíram aqueles homens, paralelamente, talvez maior desconforto para seus Espíritos, ao regressarem ao ponto de onde vieram no mundo espiritual.

Muitos desses homens do passado tiveram, por acréscimo às suas ambições, a veleidade de pretenderem tornar-se senhores do mundo em que habitavam, perseguindo, encarcerando e matando seus semelhantes mais fracos, do que estão repletas as páginas da História. Certo é também que numerosos dos potentados de então, já aqui estiveram em novas existências, sofrendo quase todos as mesmas penas que impuseram antes aos seus vencidos. Cumpriu-se aí apenas a lei que determina: quem com ferro fere, com ferro será ferido, lei que já existia, antes de existir a Terra, e aqui se cumpre como de resto em outros mundos habitados.

De um dos homens que mais poderosos se julgaram em sua época, ouvi em confissão memorável perante Altos Dirigentes Espirituais, que se possível lhe fosse, exterminaria de bom-grado a própria consciência, para apagar todas as recordações nela gravadas durante uma de suas peregrinações terrenas. Isto, todavia, não é possível, e não há como fugir à lei sábia que regula a pena em idênticas condições àquela que a outrem tenha sido imposta.

A humanidade atual pouco difere da antiga, não obstante os progressos realizados pela ciência em vários setores de atividade. O progresso em que a ciência deve esforçar-se por melhorar a vida terrena, é no campo moral, no entendimento e fraternidade, firmando princípios verdadeiros no sentido da iluminação do Espírito, e menos no sentido da destruição. Armas nucleares em nada podem contribuir para a segurança e integridade das nações, porque, sendo comuns a várias delas, a destruição será recíproca, infelizmente.

Persistam, então, os homens de ciência, no aprimoramento de seus estudos no sentido do uso da energia nuclear como força propulsora; isto sim, contribuirá decisivamente para o adiantamento do planeta no século de luzes que se aproxima. Somente para este fim serão seus esforços abençoados por Deus, e meritórias serão chamadas suas atuais encarnações.

É preciso acordar no homem a consciência de sua responsabilidade para com seus irmãos terrenos, e voltar para a felicidade destes o empenho que a maioria faz em engrandecer-se a si próprio, na ilusão de que os galardões da Terra possam ter alguma cotação no mundo espiritual. Eu digo-vos que não, irmãos meus; no mundo espiritual, onde ingressareis por vossa vez quando a isto fordes chamados, o único galardão realmente apreciado, e que se transforma em luz e felicidade para seus portadores, é aquele que reflete os esforços dos homens no sentido de dar ajuda, assistência, instrução, educação e conforto aos menos afortunados. Esse sim, irmãos meus, é o mais belo galardão que nos é dado contemplar lá no Alto, onde recebemos diariamente os milhares de Espíritos que regressam da Terra. E quantos deles regressam, ai Deus meu; em que lamentável estado, após deixarem bens, fortuna, riquezas e mais riquezas espalhadas por aí...

Quem de vós, homens e mulheres que me ledes, gostaria de chegar dessa maneira à morada de Nosso Senhor? Certamente nenhum de vós, é claro. É tempo então de começardes o vosso exame de consciência, para que haja tempo de corrigir o que estiver errado, e limpar uma ou outra mancha nela existente. Para vos alertar em tal sentido, irmãos e amigos meus, eu me encontro entre vós trazendo-vos estes conselhos, visto como tempos se aproximam aceleradamente, e depois deles nada mais será possível.

O comerciante como o industrial, o médico como o engenheiro, o advogado como o técnico, o parlamentar como o governante, o profissional, enfim, de todas as especializações, têm diante de si em todos os momentos, oportunidades de fazer algo em benefício do seu semelhante, quando mais não seja, até por um pensamento de amor, um gesto de bondade, de fraternidade, de tal modo que esse pensamento como esse gesto possam aninhar-se no coração do próximo.

Combater o egoísmo, a ambição e o ódio entre irmãos como entre povos, é dever de todos os filhos de Deus. “Somente o amor constrói para a eternidade”, disse-o o Senhor Jesus, e nós, seus enviados, o repetimos alto e bom som, porque este é, na realidade, o objetivo de quantos conseguiram permissão para reencarnar uma vez mais, e aqui se encontram completamente olvidados de seu compromisso.


Construir para a eternidade! Que coisa magnífica esta, e que maravilhas aguardam no Alto a quantos isto conseguirem! Sabendo-se que só o amor constrói para a eternidade, eu vos concito, irmãos meus, a iniciar sem demora vossa trajetória em tal sentido, amando, ajudando, assistindo os vossos irmãos menos afortunados. É este o conselho e o empenho deste vosso dedicado — Irmão Tomé.

8. SUAVE MANEIRA DE AMAR O PRÓXIMO - Livro: As Forças do Bem



Sempre se disse, escreveu e pregou durante séculos e séculos de vida terrena, que o objetivo primordial do ser humano era o crescei e multiplicai-vos exarado na Bíblia. Seria este, então, o objetivo primordial da existência humana, e não outro muito mais nobre, útil e elevado, como seja o aprimoramento do Espírito? Muito errados andaram pois, aqueles que adotaram e pregaram tão esdrúxulo princípio.

Chegaram, porém, os tempos previstos há milênios para o acerto de tudo quanto estiver errado, para a colocação do homem em seu devido caminho, que é o caminho do aprimoramento constante de seus dons espirituais. Crescimento e multiplicação já produziram seus frutos no crescimento e multiplicação constante dos meios de morte e de sofrimento, e tempo é já de voltar o homem sua atenção para seu futuro além da carne, caminho que todos seguem há milênios.

Minha palavra se dirige, pois, a quantos resolverem encarar a sério seu problema espiritual do além-túmulo, e muito lucrarão por certo aqueles que dedicarem ao assunto alguns minutos diários. Devem fazê-lo de preferência no recolhimento de seus lares, após o término de sua faina diária, para que a mente esteja em condições de receptividade às poderosas vibrações que estão sendo projetadas sobre a Terra, envolvendo todos os lares, para que todos, bons e maus, possam delas beneficiar-se.

No recolhimento de seus lares, elevem homens e mulheres os seus pensamentos à Fonte Suprema de Todo o Bem, meditem durante o tempo que puderem em seus problemas diários, que são muitos, e também nos problemas relacionados com a partida a que serão chamados em dia e hora completamente imprevisíveis. Durante esses momentos de meditação, algo como uma espécie de luminosa semente se infiltrará em suas mentes, cujos frutos não tardarão a aparecer e influir de modo porém altamente benéfico nos fatos de sua vida diária. Notarão quase todos os homens e mulheres que a esta prática se dedicarem, que uma nova maneira de encarar as coisas se lhes apresenta, surpreendendo-se todos ante a facilidade com que passaram a solucionar certos problemas terrenos, até então bem difíceis de resolver. A que deverão semelhante facilidade? Exclusivamente à ampliação de sua capacidade mental, motivada pela infiltração de novas luzes espirituais em suas mentes.

Tão certo e tão seguro estou de que isto acontecerá, irmãos meus, como o estamos todos, encarnados e desencarnados, da rotação ininterrupta da Terra em redor do Sol.

Coisas admiráveis estão sendo preparadas no Alto pelos Conselhos Dirigentes deste plano de vida, cujo aparecimento entre vós muito vos surpreenderá. Luzes e mais luzes brilharão entre vós, como para demonstrar-vos a todos que a Terra não passa de uma habitação fria e temporária, como disse Nosso Senhor Jesus, havendo por conseguinte, outros planos onde sereis convidados a viver uma vida, por assim dizer, renovada em todos os sentidos.

Certo é, entretanto, que nesses planos de vida não irão os desencarnados encontrar apenas flores e néctar divino, como muitos infelizmente assim esperam. Esses planos podem ser também designados como planos de consciência; e assim sendo, fácil vos será compreender que a situação melhor ou pior em que cada um irá encontrar-se e viver, dependerá exclusivamente do estado de consciência da Entidade ou personalidade desencarnada. O julgamento espiritual nos planos a que me refiro, é procedido pelo próprio indivíduo, sendo índice de classificação a coloração, o peso e a densidade da consciência em julgamento.

Dois fatores específicos podem, entretanto — homens e mulheres que minhas palavras lerem! — classificar-se desde agora como elementos decisivos pró ou contra a vossa felicidade futura: são eles o Bem que houverdes praticado ao longo de vossa vida presente na Terra, e a obediência com que vos houverdes conduzido em relação àquela determinação do Senhor: amai ao próximo como a vós mesmos.

Sim, meus queridos; esta é a chave que abrirá todas as portas à vossa felicidade espiritual. E é tão fácil proceder assim, é tão fácil a todos os homens e mulheres amar ao próximo, que não se compreende a resistência ainda oposta por tantas mentes cultas, a tão salutar princípio evolutivo. Amar ao próximo, irmãos meus, não significa abraçar nem beijar aos vossos semelhantes, absolutamente. Bastar-vos-á adquirir o hábito de irradiar todos os dias um pensamento de amor, de bondade, de felicidade, em todas as direções, semelhantemente à onda radiofônica, mas feito isto com tal pureza de sentimento, que a onda magnética que do vosso coração se irradiar, conduza realmente vibrações de amor, bondade e felicidade para todos os vossos semelhantes, e não apenas para os vossos amigos e conhecidos.

E sabeis, acaso, o que sucede, no instante mesmo em que vossas vibrações fraternais se irradiam em ondas concêntricas, para o largo e para o alto? Simplesmente isto: vossas ondas vibratórias, fundindo-se com outras de igual teor, voltam ampliadas ao vosso coração e ao vosso Espírito, fortalecendo sobremaneira a saúde do vosso corpo e aumentando a vossa luz espiritual.

Vede, amigos meus, irmãos meus, como a Suprema Bondade retribui a mil por um todos os átomos que seus filhos projetem em benefício geral da Humanidade. Fazei isto, eu vo-lo peço ainda uma vez! Tornai-vos também, todos vós, homens e mulheres da era presente, em novos apóstolos do Senhor, irradiando pensamentos saturados de amor, bondade e felicidade para todos os vossos irmãos, e estareis na realidade amando ao próximo como a vós mesmos.


É o conselho e o pedido que aqui vos deixa o vosso dedicado — Irmão Tomé.

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

7. SALVE-SE QUEM PUDER – Livro: As Forças do Bem



O Senhor do Mundo desfere cintilações magníficas de luz e amor sobre os homens e mulheres da era presente, na tentativa de lhes tocar, mesmo de leve, o coração ainda resistente aos divinos chamamentos.

Luzes e luzes são derramadas em profusão por todos os recantos da Terra, tocando de modo mais direto e persistente aqueles sobre cujos ombros repousam, nesta hora, as responsabilidades de governo em todos os países. Resultados ainda bastante débeis é o que no momento colhe o Divino Salvador dessa magnífica sementeira de luz e amor, esperando confiante em que o decorrer dos dias e dos meses apresente resultados mais compensadores.

Dos planos preparados na espiritualidade constam as hipóteses, até por assim dizer, imprevisíveis, para o êxito da campanha já em pleno desenvolvimento na Terra, junto ao coração dos Espíritos ora reencarnados, para que uma pausa se faça no afã dos interesses materiais e olhem todos para o porvir de seus Espíritos em fase de perfeccionamento.

Entre as hipóteses alinhadas nos planos acima, há uma pelo menos, que somente com o maior constrangimento virá a ser utilizada pelo Senhor do Mundo: é a que prevê a necessidade de ser promovida a partida em massa dos Espíritos ora reencarnados, por meios violentos, maiores e mais terríveis do que os já verificados neste século. Sim, meus irmãos; o coração de Nosso Senhor Jesus Cristo sangrará, assim como o dos seus enviados à Terra, se tal recurso tiver de ser empregado para despertar no homem o sentimento de amor e bondade para com seus semelhantes.

Então, no que diz respeito aos responsáveis pelo governo das nações, a ação espiritual está nesta hora procurando introduzir sentimentos de tal preponderância, que somente depois de esgotados todos os nossos esforços serão eles, governantes, entregues à própria sorte.

Os homens e mulheres presentemente na Terra estão sendo despertados, como já foi dito, para a compreensão e a prática de seus deveres para com Deus. Neste sentido milhares e milhares de Entidades de grande luminosidade, isto é, de grande evolução, trabalham com afinco em todos os recantos habitados, auxiliadas por milhões de outras que, como dedicados auxiliares das Forças do Bem, secundam dia e noite o trabalho dos primeiros.

Se, malgrado esse esforço inusitado, os homens persistirem em seus propósitos de acumular apenas bens materiais, ou patrimoniais segundo a moda, então meus queridos: muitas lágrimas hão de certamente brotar em catadupas, em face dos meios a serem empregados para conduzir a pobre humanidade terrena ao seu caminho, o caminho do bem e do amor ao próximo.

É preciso frisar que nenhum ser humano se encontra pela primeira vez na Terra. Absolutamente. Aqui têm vindo seguidamente, pelo menos uma vez em cada século, todos quantos atualmente perlustram os ínvios caminhos terrenos.

Os progressos já alcançados ainda são infelizmente diminutos em face daqueles que já deviam ter alcançado. Como, entretanto, tudo na vida tem o seu limite, tanto aqui como nos demais planos do Universo, soou a hora por assim dizer, do “salve-se quem puder”, porque o temporal está assaz próximo a desabar.

Quem isto escreve recebeu ordem para isso, emanada do coração magnânimo do Nosso Divino Mestre e Senhor Jesus Cristo. “Salve-se quem puder”, pois, deve ser a legenda de quantos resolverem tomar estes conselhos na devida conta e dar começo ao trabalho de sua elevação moral, pela prática somente de atos dignificantes do Espírito, e atendimento à Divina Ordem que neste momento ressoa em todos os pontos da Terra.

Que os homens releguem definitivamente as bombas atômicas ao esquecimento, e preparem conversações e entendimentos frutíferos para a paz entre todas as nações, e breve estarão em condições de verificar o quanto de merecimento alcançaram, não apenas em benefício de seus governados, como especialmente em benefício próprio.


Perguntar-vos-eis certamente, onde a minha autoridade para falar desta maneira concludente com que ora vos falo. A resposta que um dia vos chegará, é que não sou senão um daqueles milhares de milhares de enviados do Senhor do Mundo, com tarefa predeterminada que eu procuro cumprir da melhor maneira. Ouvi-me pois, amigos meus. Todo o meu salário por este trabalho, eu já o ofereci previamente em favor de quantos resolvam ouvir minhas palavras e pôr em prática os meus conselhos. Cada um receberá pois, com a máxima alegria para mim, a parte que lhe couber por este dedicado esforço de quem se ufana de ser, sempre, o vosso — Irmão Tomé.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

6. OS DOIS CAMINHOS - Livro: As Forças do Bem.



Que a luz bendita do Senhor ilumine todos os seres, na Terra e no Espaço! Sim, que a luz bendita do Senhor se derrame sem cessar por todos os recantos deste pobre e sombrio planeta, clareando, sobretudo, as consciências dos homens e mulheres em peregrinação terráquea, para que melhor possam aceitar e compreender os belos ensinamentos aqui deixados pelo Divino Mestre há vinte séculos. Amai-vos uns aos outros é um dos ensinamentos que devem acompanhar o ser humano em todos os momentos de sua peregrinação.

No dia em que o homem souber aplicar em suas relações diárias com seus semelhantes, aquele luminoso ensinamento de Jesus, a partir desse dia a verdadeira felicidade instalar-se-á em seu coração. Amar o seu próximo é amar o próprio Deus instalado em cada ser humano, é transformar em felicidade o sofrimento, é pôr termo a um longo passado de quedas e dissabores, lutas e fracassos, é como se o homem caminhasse habitualmente nas trevas e passasse a caminhar à luz extasiante do astro rei.

Os homens do momento que passa, têm, bem definidos, dois caminhos abertos à sua frente: um que representa e continua os sofrimentos inenarráveis de um passado trevoso, em que a vida decorreu num mar permanentemente tempestuoso, que é o caminho das suas ambições de grandeza e poder de domínio sobre os demais, ao longo do qual só encontrou seixos, urzes e espinhos e não poucos abismos disfarçados, nos quais freqüentemente se precipitou. O outro caminho é o caminho do Bem, da Luz e do Amor a Deus, e do benfazer aos seus irmãos. Neste caminho o homem só encontrará alegrias para o seu coração e tranqüilidade para o Espírito, como recompensas mínimas advindas da prática de boas ações.

As ambições alimentadas há milênios pelos Espíritos aos quais foi dada a Terra por campo de desenvolvimento, só têm acarretado fracassos, sofrimento e atrasos para esses Espíritos. Chegou, porém, o momento em que os homens estão sendo despertados desse passado milenar, para o progresso que se desenrola diante de seus olhos espirituais, e a nenhum deles, homens e mulheres, será permitido permanecer como que adormecidos ao chamamento.

O progresso do Espírito é tão bela coisa, a luz espiritual própria constitui tão grande tesouro, que, se vos fosse permitida uma demonstração prática durante vossa permanência na carne, por certo que nenhum de vós aqui quereria permanecer, ou, pelo menos, tudo faria desse momento em diante para alcançar aquele ambicionado tesouro.

A vida, terrena, por maiores encantos que possa oferecer, não oferece termo de comparação com a grandiosidade do tesouro espiritual, que está destinado àqueles que se esforçarem por alcançá-lo. Digo se esforçarem, e digo bem, porque nada de bom se pode alcançar sem o esforço próprio, e isto é uma lei universal. Esse esforço é, entretanto, tão suave e tão belo, que mesmo durante o esforço que o homem faça para se tornar realmente bom e praticar as leis de Deus, ele começa a gozar essa pequena felicidade que se amplia, se engrandece, à medida que o esforço contínua. E é tão pouco o que o homem tem a fazer, que ele próprio se admirará de o não ter feito há mais tempo. Por exemplo: amar ao próximo como a si mesmo; haverá nisso alguma dificuldade? Absolutamente. Uma simples modificação de raciocínio colocará o homem nesse caminho. Primeiro ele colocará um meio termo em suas idéias de querer ser grande, rico, poderoso, para desejar apenas o suficiente para viver confortavelmente com o grupo de irmãos que a Divina Providência lhe entregou na Terra: sua família.

Partindo deste princípio, verificará o homem com alegria que começam a desaparecer certas questiúnculas que surgiam vez por outra em seu meio familiar, e que um certo toque de harmonia, entendimento e maior felicidade se implantou em seu ambiente. Milagre? Não, tudo perfeitamente de acordo com a lei de vibrações. Se seu círculo vibratório passou a girar em maior harmonia com as leis de amor ao próximo, isentas das anteriores vibrações de grandeza e poder, conseqüentemente, funcionando esta outra lei dos semelhantes, desceu em seu ambiente familiar e mesmo social, uma correspondente vibração de serenidade e harmonia que o homem não trocará jamais por todo o ouro da Terra.

Irmãos meus: quem através destas linhas vos fala desta maneira, possui, graças ao Senhor, uma larga experiência do assunto adquirida em longas, numerosas e até dolorosas reencarnações na Terra. Minha luz atual já me confere o direito a viver exclusivamente na contemplação e na paz espiritual dos Apóstolos de nosso amado Jesus. Por Sua determinação, contudo, é que aqui venho dizer-vos estas palavras, com o objetivo de poder contribuir para que em breve possais vós também ascender às iluminadas e encantadoras paragens em que vivem todos quantos resolveram reunir numa única, todas as suas ambições: a ambição de ser bom, dedicado, útil ao seu próximo, como mandam as leis de Deus.


Vamos, irmãos queridos: para que ambições de grandeza terrena, se nem um centavo dela podereis conduzir em vosso regresso à pátria do Espírito? Mãos à obra, pois. Meditai no que aqui vos deixo, qual semente lançada em boa terra, e certamente colhereis uma larga sementeira de luz e felicidade para os vossos Espíritos, que é a única coisa que conta, em todos os milênios que houverdes vivido! Mãos à obra, repito, irmãos queridos; e, em vossas dificuldades ou dúvidas, chamai por mim, que me orgulho de ser, sempre, o vosso dedicado — Irmão Tomé.