Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

terça-feira, 29 de outubro de 2013

PREFÁCIO DO SENHOR VOLPI – Livro: Vida de Jesus ditada por Ele mesmo



          Em 1885, o Antimaterialista, de Avinhão, revista dirigida pelo Sr. Renê Caillé, publicou esta obra obtida mediunicamente em francês. Eu recebi um volume, que ficou descansando em minha pequena biblioteca sem dar-me ao trabalho de lê-la, durante algum tempo, por não atribuir-lhe valor algum. Somente quando, seduzido pela confiança que me inspirava o excelente diretor do Antimaterialista, que recomendava o livro à séria atenção dos estudiosos, me pus a folheá-lo, recebendo uma profunda impressão de sua rápida leitura. Tornei a lê-lo repetidas vezes, resultando aumentar cada vez mais a impressão, até chegar à mais completa convicção a respeito de sua identidade. O conhecimento cada vez maior que eu ia adquirindo a respeito do moderno espiritualismo me ajudava muito para formar este são critério: Ninguém, a não ser o próprio Jesus, pode haver ditado o livro que tenho debaixo de meus olhos! — Do mesmo modo que, ouvindo-se falar de uma pessoa desconhecida para nós, da firmeza de suas expressões, conformes à lógica das idéias e do amor cálido e enérgico, que nunca se desmente, recebemos internamente o convencimento de que ela não nos engana; idéia que se converte em íntima certeza quando seus ensinamentos são ministrados com o mais completo desinteresse e em contínua harmonia com os fatos e idéias que se agitam no meio das incertezas da mente e da alma; tal como aconteceu comigo diante da obra de Jesus.
          Em frente a ele adquire-se também a energia característica, o amor imenso, a constante e admirável força de vontade que levaram ao Gólgota Aquele que assim fala.
          Desmente a todos aqueles que querem fazê-lo passar pelo único filho de Deus, enquanto que assegura, em troca, que todos podemos chegar, depois de repetidas existências, à sua elevação, trabalhando nossa alma no sentido da luz divina.
          Confirma implicitamente as afirmações do Sr. Allan Kardec, sem se referir ao coordenador, e o explica em certos pontos essenciais, que este ou não tratou ou o fez confusamente.
          Houve quem, sem duvidar da sinceridade da senhora médium, acusou-a de automatismo (qual?) e julgou poder provar que as idéias manifestadas nesta obra carecem da firmeza e da elevação de idéias próprias do grande e genial reformador, como igualmente é combatida por aqueles que crêem que Jesus é o único filho de Deus. Seria necessário alguma coisa mais que um simples artigo de jornal para convencê-los de que todos eles se encontram laborando em um grave erro; porém não podendo fazê-lo aqui, me parece conveniente referir o que disseram deste livro vários personagens ilustres e de idade avançada, acostumados a dar com calma, às coisas, o verdadeiro lugar que lhes corresponde.
          José Zolli, um dos mil, professor de Matemática, bem conhecido por suas obras, escreveu-me como segue a respeito da obra (veja-se II Vessillo de fevereiro de 1902):
          “Eu li, tornei a ler e reler, muitas e muitas vezes, a belíssima VIDA DE JESUS. Estou entusiasmado com ela, não tendo lido jamais uma obra mais formosa e elevada.

           “Ela exala algo realmente superior. É um livro que reúne a arte à santidade, constituindo talvez em sua admirável simplicidade o livro mais esplêndido. — Quanto mais se o lê, mais se o aprecia”.

          O distinto advogado G. Sforza, membro do Conselho de Apelação, escreveu (veja-se II Vessillo de fevereiro de 1900):

          “Ao começar a leitura deste livro assaltou-me a dúvida a respeito da realidade de sua origem medianímica. Porém não tinha chegado ainda à metade quando toda a dúvida havia por completo desaparecido em virtude deste simples raciocínio: Se negarmos sua origem medianímica teremos que admitir na autora um engenho pouco comum, uma profunda cultura e minucioso conhecimento dos tempos e lugares em que se desenrolou a vida de Jesus, e tudo isto reunido a um esquisito sentimento ético, desenvolvido a tal ponto de constituir sua própria essência pessoal. Porém uma mulher dotada de semelhantes dotes encontra-se com toda a certeza nas condições de produzir uma obra original, e, até prova em contrário, não será jamais crível que ela haja querido negar-se a si mesma apresentando uma obra alheia, cujo mérito em nada poderia corresponder-lhe. Para podê-lo crer seria necessário ter em mãos uma razão digna de tão grande sacrifício, e esta razão certamente não poderia ser o prurido de aparecer como médium, compartindo assim uma prerrogativa com muitas outras pessoas, muito inferiores, sem dúvida alguma, aos dotes altíssimos revelados pela escritora. Portanto, não existe nenhum motivo para duvidar da origem francamente medianímica deste livro”.

          O príncipe Wisniewski escreveu-me assim (veja-se “II Vessillo” de outubro de 1899): “Este livro é a luz vinda do céu. É um verdadeiro acontecimento. Finalmente, depois de tantos sofismas, contradições e superstições contidas em uma biblioteca tão volumosa, que se se arrojara ao Pó seu curso ficariainterceptado e desviado, nos é permitido ler a verdadeira vida, a verdadeira missão de Jesus, depurada das escórias da tradição com que os séculos a têm desfigurado.

          “Tem você razão em dizer que quem lê este livro tem a sensação de estar falando com o doce Messias de Nazareth, tal é
o timbre de verdade que ressalta dele, verdade expressada com a
maior simplicidade e o maior desprendimento da vida material, como ele o demonstrou durante sua curta estadia neste planeta”. 

          Esta opinião foi manifestada também pela Revista Freya (Argentina), que transcreveu uma parte dela. Deixo de citar outras revistas que se têm manifestado de uma forma sumamente favorável a respeito da obra, para ocupar-me unicamente de L’Harbinger of Light, de Melbourne (Austrália).
          O Sr. James Smith, antigo e conhecido colaborador de dita revista, escreveu o seguinte (veja-se II Vessillo Spiritista de dezembro de 1899): Na VIDA DE JESUS, escrita desde o princípio até o fim por uma senhora francesa, traduzida para o italiano por Ernesto Volpi e publicada em Vercelli, se encontram muitas passagens fundamentalmente idênticas a uma série de comunicações que nos demonstram sua comum proveniência de uma mesma fonte, as quais foram recebidas nesta cidade (Melbourne) durante os últimos sete anos, por intermédio de três diferentes médiuns de incorporação, entre os anos de 1892 a 1899 quase, e que foram empregados como intermediários para a sua transmissão.
            Isto parece indicar que emanaram de uma mesma fonte.
      Como exemplo transcrevo aqui em colunas paralelas as seguintes palavras, que se referem a Judas Iscariote: 

VIDA DE JESUS                            VIDA DE JESUS
(Tradução de Ernesto                 Obtida medianimicamente em
Volpi)                                             Melbourne (Austrália)
 “Pobre Judas! Em                         “Pobre Judas! Agora
minhas últimas horas,                    eu tenho piedade e
ocupaste mais que                         lágrimas para ele.
ninguém meus pensamentos,      “Até agora todos o
e minha alma se                              tem caluniado e injuriado
inclinava para a tua para               como a um imperdoável      
falar-te de esperança e de             traidor. Não obstante deviam
reabilitação.                                    Compadecer-se dele;                             
 “Perdido; costuma-se                    Entretanto, ninguém
dizer perdido ao que                      tem em troca uma lágrima
atraiçoou a Jesus. Oh!                  Para o pobre Judas.
Não! Nada se perde das               Eu que fui atraiçoado por
obras de Deus, todas                    ele, perdoei-o desde então.                
estão destinadas a ser                  Ele progrediu depois,
grandes, todas se verão                convertendo-se em mestre
honradas, embora todas              como o ainda é, se bem que
comecem arrastando-se              não costume revelar seu nome
penosamente desde a                 quando se comunica, devido
falda da montanha, para               à marca cruel de opróbrio com
iluminarem-se depois com            que o homem o assinalou.
a chama divina ao chegar            “Saibam eles que nem
lá em cima”.                                    uma só alma será ou
                                                         poderá perder-se e que
                                                         entre os anjos puros e
                                                         gloriosos que são dignos
                                                         de se encontrarem em
                                                         presença do Pai, não há
                                                         um só que não tenha
                                                         pecado e sofrido, que não
                                                         tenha palmilhado o duro
                                                         caminho do pão da tribulação,
                                                         exatamente como eu fiz”.

          Temos que relembrar aqui que, segundo as duas vidas de Jesus, Judas não atraiçoou por cobiça de dinheiro, senão por ciúmes, por inveja das preferências de quem eram objeto por parte do Mestre, João e Pedro. (Veja-se II Vessillo de novembro 1899.)
          O Sr. James Smith, entre outras coisas, disse o seguinte:
         “Entre as muitas passagens notáveis deste livro precioso, ressaltam esses vivos retratos que Ele faz de João Batista, de Salomé, esposa de Zebedeu, de Sócrates (precursor do Nazareno), de Maria de Betânia, de Maria de Magdala, do apóstolo Marcos, de Pôncio Pilatos e de outros personagens do Novo Testamento, pelos quais se adquire uma idéia mais clara e mais definida nesta VIDA DE JESUS do que nos mesmos Evangelhos, que não nos dão senão um simples esboço, ao passo que nestes retratos vemo-los quase como se estivessem vivos”.
          Pelo que diz respeito, por outra parte, à eloqüência característica que se destaca em toda a obra, a essa unidade essencial que domina em todas as suas partes, a essa sublime eliminação do Eu, jamais olvidada na constante adoração para o Pai, dele e de todos os homens, nesse sentimento divinamente admirável de religião e de moral que inculca, eu não me atrevo quase a falar com essa entusiástica admiração que a religião deste livro me tem inspirado por temor de que me acusem de exagerado.
          Seria uma verdadeira desgraça para os espiritualistas da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos, do Canadá, da Austrália, da América do Sul, França, Espanha, Alemanha, Áustria, Hungria, se este livro não fosse traduzido em inglês, alemão, espanhol e novamente em francês, tendo-se perdido o original e não existindo mais exemplar algum senão o conseguido por mim.
          Havendo-me, naturalmente, assaltado a dúvida de que os médiuns de Melbourne tivessem podido chegar a conhecer o livro A VIDA DE JESUS, escrevi ao Sr. James Smith, rogando-lhe que me tirasse as dúvidas a respeito. Eis sua resposta com data de 15 de agosto de 1901:

         “Respondo a sua pergunta sem perda de tempo: é completamente impossível que qualquer das três médiuns (uma delas faleceu) pudesse conhecer o conteúdo de seu livro, porque as duas vivas são analfabetas, e a morta pouco lhe faltava para ser. Nenhuma delas conhecia uma única palavra de francês nem de italiano.

         “Sucedia, até com freqüência, que elas não compreendiam as comunicações que se recebiam por seu intermédio, como médiuns falantes, sempre superiores à sua limitada compreensão”.

         James Smith acrescenta:
         “Peço-lhe que desculpe minhas tentativas imperfeitas para escrever o italiano, ao transmitir-lhe estas mal traçadas linhas dando-lhe a última comunicação recebida do Mestre do Círculo¹ em presença de vários visitantes estrangeiros:

         “Queridos filhos, uma vez mais me encontro entre vós, onde     quer que se encontrem corações amorosos, eu me apresento. Alguns homens costumam dizer que eu não posso vir à Terra. Mas, por que não? Só por uma má vontade de receber-me. Se o cordão magnético fosse bastante forte, aquele que agora vos fala, viria com muito prazer transmitir-vos as palavras de ternura que vos traz de nosso Pai.
         “Alguns me chamam filho de Deus; mas, não sois todos filhos de Deus? Credes que o Pai tem filhos preferidos? Jesus de Nazareth não é mais querido do que o paupérrimo ser que se arrasta sobre a Terra. Deus ama todas as coisas que criou, desde o mais pequeno inseto até às obras mais grandiosas saídas de suas mãos. Por isso todos são seus filhos, todos são iguais em seu coração divino.
          “O sol resplandece igualmente sobre os maus e sobre os bons e vivifica todas as coisas belas e úteis ao homem, para o sustento e a alegria de todos.
         “Não julgueis nunca impossível que Jesus de Nazareth se comunique convosco sempre que façais vibrar as cordas da simpatia e do amor. Eis-me aqui, estou vivo. — Ah! — Quanto me aflige a nova crucificação que me fizeram sofrer os homens ao pretenderem fazer-me igual ao Pai para adorar-me como a Deus! Que sacrilégio! Que profanação! Que grande blasfêmia a de adorar a criatura em lugar de Deus!
        “Não acrediteis que é mais surpreendente minha volta à Terra que a de vossos parentes e amigos. A mensagem que vos trago é a mesma que trazia nos tempos antigos.
     “Amai-vos uns aos outros, e ajudai-vos a carregar os vossos respectivos fardos. Rogo a vosso Pai que vos abençoe e vos ampare agora e por toda a eternidade”.

       Deste modo, verifica-se que os nossos antípodas tiveram manifestações de tal natureza a não deixar dúvida a respeito da autenticidade da obra medianímica VIDA DE JESUS, escrita por uma médium anônima francesa sob o ditado do Messias Nazareno, manifestações superiores às apresentadas pelos Evangelhos e até os esclarecem em diversos pontos. Na Europa me apraz citar: 1º Sara a Hebréia (Anais do Moderno Espiritualismo, págs. 114, 148, ano 1873) em que se descreve o tremendo tumulto produzido pelo povo diante de Pilatos, confirmando com isto nossa comunicação; 2º Herculanum, livro medianímico (2 volumes) de Wera Krijanowski, filha do general do mesmo nome, que vieram esclarecer algumas passagens dos Evangelhos, entre aquelas que, pelo lugar e as circunstâncias, lançam muita luz ao sermão da montanha, tal como o indica a comunicação referida. Recentemente a Sra. Wera Krijanowski recebeu a nomeação de oficial da Academia Francesa.
         Os dois médiuns citados não conheciam a VIDA DE JESUS.
    Convém citar também o Sr. Aquiles Brioschi, que embora sendo completamente contrário ao espírito do livro, porquanto crê que Jesus é o único filho de Deus, me escreveu não obstante em 1899 o seguinte:

         “Faço-o ciente que nós também temos comunicações sumamente favoráveis a esse livro, obtidas pela mediunidade de uma senhorita, além de instruída e inteligente, médium vidente, as quais afirmam que o livro fará muito bem e que foi obra meritória publicá-lo. Esta senhorita goza da fama de santa”.
         O sacerdote Guido Piccardi, tão contrário à obra elogiada por sua convicção de que Jesus é o único filho de Deus, e tendo-me escrito sobre este particular, como o declarei no Vessillo de agosto de 1899, teve mais tarde que revelar-me que havia recebido repetidas manifestações medianímicas sinceras e contrárias ao seu modo de pensar.
         Não quero também esquecer a distinta Virgínia Amélia Marchoni, professora, que eu via pela primeira vez, e que, procurando amavelmente responder a uma pergunta minha de caráter espiritualista, caiu de improviso em transe, empalidecendoin tensamente e enfraquecendo-lhe a voz e me disse que era realmente de Jesus a obra que me interessava. Comprovei de uma maneira a não deixar lugar a dúvidas o estado de transe em que se encontrava a distinta senhorita, que ao tornar a si recuperou sua voz e suas cores naturais.
         Eu possuo um quadro medianímico feito a lápis pelo médium Favre e que representa a cabeça de Jesus, em cujo anverso tinha o costume de escrever o que resolvia levar a cabo, sem fazer-lhe depois correções. Depois de quase quatorze anos que eu possuía a VIDA DE JESUS DITADA POR ELE MESMO à médium Sra. X... e depois de algum tempo que acariciava a idéia de publicar sua tradução, efetuada por mim, despertei uma manhã com a resolução firme de levá-la imediatamente à tipografia.
         Levantei-me, coloquei o quadro sobre uma mesinha com o propósito de escrever no anverso do retrato a promessa solene de efetuar minha decisão tão depressa estivesse vestido.
         Enquanto me vestia lancei um olhar sobre o quadro, cuja cabeça tinha mudado de aspecto e de posição, oferecendo-se-me à vista uma verdadeira cabeça vivente. Ela se dirigia docemente para o céu com uma intensa expressão de adoração e de prece; porém o que mais me impressionou foram seus olhos de uma expressão sem igual, úmidos, dirigidos para as regiões supremas, cheios de uma alegria indescritível.
           Escrevi minha promessa e a primeira tradução veio à luz.
         Assim, depois de trinta anos de constantes estudos, dos quais doze passei-os como diretor do Vessillo Spiritista, em meio do progresso lento porém seguro, de nossas doutrinas, passando por cima de muitas, banais e grosseiras mistificações, às quais desgraçadamente oferecem oportunidade estas matérias; tomando nota do que dizem cientistas e não cientistas a respeito do Moderno Espiritualismo — que Deus os ajude! — afirmo com plena certeza do que digo: que estou absolutamente seguro da autenticidade medianímica desta obra de luz, a qual me proporcionou tantas alegrias morais como nenhuma outra escrita até agora e me brindou com uma constante e elevada direção, cheia de consolos e de convicção para a marcha da vida terrena.
         Com estes pensamentos publico a segunda tradução.

                                                                             ERNESTO VOLPI


¹ Espírito-guia.