Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

terça-feira, 16 de junho de 2015

Capítulo XLII - Livro: Elucidário – pelo espírito de Paulo de Tarso através do médium: Diamantino Coelho Fernandes. A finalidade da Terra - Adaptação do sistema respiratório dos primeiros seres humanos - Alguns séculos decorreram -Amadurecimento das condições mesológicas e geológicas do presente - E para onde ireis vós? Os três destinos à vossa escolha.






A pequena esfera que é a Terra, foi constituída no passado longínquo de muitos milhões de anos, com a finalidade de se tornar a morada transitória de Espíritos necessitados de luz e progresso espiritual, mas possuidores em sua maioria de um certo grau de evolução, adquirido através de várias existências vividas em planetas bem inferiores. Procedeu-se nesses planetas inferiores a uma seleção dos Espíritos que maior aproveitamento alcançaram ao cabo de várias existências, com o objetivo de trazê-los para a Terra, em vias de preparação para receber seres humanos no seu solo.

A operação de transladação desses Espíritos para a esfera terrestre teve de constituir problema de solução bastante demorada, em face da adaptação do ambiente terreno à vivência de seres humanos. Já sabeis certamente que a Providência Divina fez virem antes ao planeta, várias espécies animais para testar através delas o estado de habitabilidade pelos seres humanos. Somente quando todas as condições mesológicas se apresentaram perfeitamente habitáveis pelo organismo humano, foi que os Espíritos humanos foram trazidos ao ambiente terreno, ainda, convém dizê-lo, em fase experimental.

O sistema respiratório desenvolvido pelos Espíritos em sua passagem por planetas de condições algo mais grosseiras, demonstrou a necessidade de sua adaptação à ambiência terrena, e isto foi objeto de longo período de trabalho executado no Alto pelas Entidades especializadas no assunto. Poderemos dizer então que alguns séculos decorreram, até que o solo terreno fosse dado em condições de receber o grande número de seres espirituais que pelo seu aproveitamento alhures, mereceram viver nesta pequena esfera, onde, não havendo leis nem propriedades demarcadas, os habitantes de então podiam dispor de tudo a seu bel-prazer.

Vieram entretanto, ao planeta, juntamente com aquela multidão de almas pioneiras, algumas Entidades grandemente evoluídas com a missão de preparar o ambiente moral das regiões em que apareceram, e aí coordenaram as primeiras regras que deviam presidir a vida e os costumes a serem observados pelos habitantes dessas regiões. Isto levou certamente muito tempo a se constituir em código da vida da maioria, dada a circunstância de provirem as almas de mundos de categoria inferior, onde as leis gerais obedeciam principalmente ao poderio da força, na solução de muitos dos litígios surgidos entre os habitantes desses mundos. Foi por isto muito demorada a marcha ascensional empreendida pela população terrena, em busca dos princípios que trouxeram milhões de almas à Terra, as quais aqui têm vindo e voltado maior ou menor número de vezes, em busca da realização daqueles princípios, felizmente já alcançados por alguns milhares - milhares apenas, reparai bem - que se tornaram por esse motivo elementos componentes das Forças Superiores, incumbidas de superintender os destinos da Terra por delegação do Senhor do Mundo que é o Nosso Amado Jesus, como sabeis.

Vencidos por conseguinte aqueles milhões de anos desde que a Terra se tornou habitável pelo gênero humano, eis que uma nova fase se apresenta com vistas à transformação do planeta em mundo de mais alta categoria, para receber em seu solo novas gerações de Espíritos que já estão chegando em muitos dos vossos lares, gerações essas que virão constituir uma nova civilização terrena.

Como sucede geralmente em tudo quanto existe no Universo, há uma fase que se denomina amadurecimento, antes que se possa observar a ação positiva de todas as coisas e de todos os seres. Com a Terra em que habitais, verifica-se o amadurecimento de suas condições mesológicas e também geológicas, para receber transformações profundas em seu status quo. Esta fase vem sendo aguardada desde muitos séculos pelas Forças Superiores, em face da necessidade de transportar para esta esfera alguns milhões de almas que aguardam desde muito no Alto a sua oportunidade de reencarnarem. Trata-se em sua grande maioria, de almas que concluíram o curso de aprendizado duramente vencido nos mundos percorridos, e que se encontram com incontestável direito ao prosseguimento de sua trajetória evolutiva. Coincidindo com essa necessidade o amadurecimento das condições mesológicas do mundo terreno, foi decidido pelas Forças Superiores que essas almas virão habitar a partir de agora, e talvez por uns dois a três milênios. É por essa razão que foram planificadas e já se acham em princípio de execução certas modificações no solo terreno, destinadas a oferecer aos novos habitantes o conforto e condições de habitabilidade que se tornam necessárias.

Estou a adivinhar em vossas mentes uma pergunta que me faríeis se conversar pudéssemos de viva voz, mais ou menos nos seguintes termos: - E nós que nos encontramos na Terra, para onde vamos? Eu responderei a essa pergunta repetindo o que escrevi anteriormente, dizendo-vos que a Sabedoria Divina nada faz ou executa sem um demorado estudo e larga preparação. A circunstância de terem vindo ao ambiente terreno numerosos emissários do Senhor do Mundo, entre os quais se encontra esse vosso amigo que vos fala, já reflete para todos vós, a sabedoria com que estão sendo tomadas as providências relacionadas direta e muito estreitamente com a personalidade de cada um de vós. Já sabeis, porque ficou dito em páginas anteriores, que está sendo procedida uma seleção entre as almas que regressam da Terra, no sentido de poderem as Forças Superiores determinar o grau evolutivo de cada uma, ao fim de sua última peregrinação terrena. Daquela seleção se evidenciará o grau de progresso alcançado ao fim de um regular número de existências terrenas, do qual se ajuizará acerca do próximo destino de cada uma dessas almas. Estes destinos, tanto quanto me é permitido informar-vos nesta oportunidade, são os três seguintes. Um deles será a faculdade conferida às almas selecionadas para regressarem à Terra numa existência bem mais alegre e feliz do que a vivida presentemente, fazendo parte da nova civilização desta esfera durante os séculos porvindouros. Outro destino será, também facultativamente, ingressar num plano de vida espiritual que está sendo preparado para receber novos habitantes espirituais, cujos ocupantes mereceram ser promovidos a planos de vida mais elevados. Aqueles de vós, por conseguinte, que se sentirem porventura enfadados do ambiente materializado deste mundo terreno, e desejarem repousar longamente num plano de vida espiritual, onde a felicidade e a bem-aventurança são uma constante, esses serão conduzidos ao plano em referência na qualidade de habitantes a ele promovidos. Resta pois elucidar-vos acerca do terceiro destino, a ser dado às almas que forem passando pela seleção em funcionamento no Alto à chegada de quantas regressem da Terra. Falarei, pois, das almas cujo estado evolutivo apresente, ao fim de tantas e tantas vidas terrenas, o endurecimento em que infelizmente se encontram seres humanos em número bem maior do que o esperado, as quais nem poderão voltar a reencarnar na Terra, pelo estado vibratório em que se mantiveram, a despeito dos conselhos e ensinamentos aqui difundidos século após século, e também não apresentam condições de poderem estagiar em planos mais adiantados. O destino desta categoria de almas, conquanto muito constranja o magnânimo coração do Senhor do Mundo, é serem enviadas a um planeta cujas vibrações se harmonizem com as suas próprias, no qual procurarão tornar-se, em face dos conhecimentos adquiridos na Terra, possivelmente orientadoras e guias dos habitantes desse planeta. Com o decorrer dos séculos poderá ser tal o progresso espiritual alcançado por essas almas através dos trabalhos enfrentados em sua nova morada, que venham a merecer a graça de seu regresso à Terra se as suas condições o permitirem.

O que aí fica um tanto alinhavadamente, bem vos elucidará acerca do destino a ser seguido por quantos se encontram atualmente na Terra, muitos irmãos nossos talvez inteiramente tranqüilos porque despreocupados do seu próprio destino. A vinda ao vosso meio deste vosso amigo que vos fala, assim como a de muitos outros enviados do Senhor Jesus, representa o empenho do Senhor no sentido de que os seres humanos sejam alertados com bastante antecedência sobre o futuro que a todos aguarda, fornecendo por este meio os necessários elementos ao esclarecimento de cada um, não apenas a respeito dos acontecimentos em perspectiva, como quanto ao provável encaminhamento no Alto, quando os fatos se positivarem.

Um fato que eu desejaria bem presente na mente de cada um dos meus leitores, é aquele que hão de testemunhar à sua vez os homens e mulheres viventes presentemente na Terra, ao soar o momento de cerrarem os olhos do corpo e dele se despedirem para regressar ao mundo espiritual. Bem certo é que bem pequeno é o número daqueles que se dispõem a pensar em tal momento, pelo desagradável que isso representa para quem não deseja sequer recordar que terá de partir um dia de regresso ao mundo espiritual. E como isso lhes seja desagradável, tratam de afastar a mente dessa realidade ao invés de se prepararem para ela. O resultado que todos observamos no Alto, é a inconformação de um elevado número de irmãos com a fatalidade da morte do corpo, e se lamentarem por longo tempo no Alto, numa desconsolação sem remédio, porque realmente irremediável em si mesma. Quando isso não acontece no Alto, por não terem podido voar até lá, constatamos então a multidão de almas que permanecem indefinidamente no próprio ambiente em que viveram, num abandono lamentável de si mesmas, porque impossibilitadas de alçarem vôo aos planos de consolação e repouso. Baixam por causa desses irmãos, que se mostram descuidados de sua elevação espiritual enquanto no corpo, caravanas e caravanas de Entidades com a missão caridosa de os recolherem no solo terreno e conduzi-los ao plano mais próximo, onde possam repousar de suas fadigas terrenas até que um destino lhes seja dado pela Misericórdia do Senhor. O espetáculo que esses irmãos representam ao fim de muitos anos de permanência no corpo, em cujo período apenas cuidaram de interesses materiais, é, como disse, deveras entristecedor. Esses Espíritos apresentam-se tão ignorantes da vida espiritual como se crianças fossem ainda na vida terrena. E não se diga que isto sucede exclusivamente a Espíritos que palmilharam uma existência de condição inferior, ou vivida nos lugares afastados do meio civilizado. A verdade é que entre as almas que assim viveram encontram-se numerosas delas bastante evoluídas e em dia com os problemas espirituais, ao passo que não poucas das que conseguiram construir um sólido patrimônio na Terra, e só nele cuidaram como se esse patrimônio pudesse representar a sua felicidade eterna, apresentam-se de tal maneira ignorantes de tudo quanto deviam saber sobre a vida espiritual, verdadeiramente de causar pena a quantos as observam.

Nunca será demais repetir nestas linhas o que vem sendo dito aos ouvidos espirituais de todos os seres humanos durante as horas de sono, isto é, que coloquem no primeiro plano dos seus objetivos na Terra a conquista maior que é a luz espiritual, ante a qual tudo o mais é secundário. Este conselho vem sendo ministrado, como disse, ao ouvido de todos os homens e mulheres no plano espiritual durante as horas de sono do corpo, numa tentativa das Forças Superiores de ajudarem os encarnados responsáveis a se empenharem na aquisição daquilo que constituiu o verdadeiro objetivo de sua vinda à Terra, nesta sua encarnação decisiva: a luz espiritual. Que possais alcançá-la todos vós, estimados leitores, assim como os vossos entes queridos, são os votos que sinceramente faço como fecho do presente capítulo.