Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

quinta-feira, 9 de março de 2017

CAPÍTULO XXVIII - Livro: Corolarium – ditado pelo Espírito de Maria de Nazareth ao médium Diamantino Coelho Fernandes. As almas presentemente encarnadas na Terra. — Maneira de cada alma poder julgar-se a si mesma em relação ao próprio grau evolutivo. — Em que consiste a evolução? — Os fatos dolorosos que ocorrem frequentemente no mundo terreno.



As almas presentemente encarnadas na Terra constituem, em sua maioria, remanescentes da onda de vida iniciada há cerca de quatro a cinco mil anos, quando lhes foi concedida a primeira oportunidade de virem a este pequeno mundo terreno. Havendo completado o curso de aprendizado em outras esferas, foram transferidas para o ciclo de vida terrena, onde deviam prosseguir na sua evolução sob a égide do Senhor Jesus. Muitas e muitas das suas contemporâneas da primeira encarnação que tiveram neste plano físico, já alcançaram novos degraus evolutivos, e, ou se encontram no Alto desempenhando tarefas espirituais, ou passaram a outras moradias em planos mais adiantados. As almas que se encontram agora na Terra têm, por conseguinte, o dever de se esforçarem verdadeiramente no sentido de concluírem também o seu curso de aprendizado, e galgarem os novos degraus de progresso espiritual que se encontram à sua frente. Bem certo é, contudo, que não é toda a população atual da Terra constituída por esse grupo de almas às quais eu me refiro. Não, absolutamente. Encontram-se na Terra muitos milhares de almas ainda pouco evoluídas, quero dizer, pouco vividas, que eu comparo aos alunos recém-ingressados na escola e vão ocupar as mesas da segunda metade para o princípio da sala. São, portanto, alunos recentes para os quais tudo é novidade na escola. Os mais antigos, porém, aqueles que vêm frequentando a escola terrena, é que se encontram na contingência de empregar esforços decisivos na presente existência, a fim de merecerem a promoção a novos degraus da escala espiritual em seu próximo regresso da Terra.   

Um meio acessível a todas as almas encarnadas, de poderem julgar-se a si mesmas em relação ao próprio grau evolutivo no qual se situam, pode ser facilmente conseguido através de uma concentração mental antes de se deitarem. Após a prática da sua prece noturna, coloquem-se num estado de concentração mental, o mesmo que meditação, e indaguem mentalmente das Forças Superiores aquilo que lhes parecer necessário saber, da sua situação em relação ao seu progresso evolutivo. Esta operação terá o mérito de lhes revelar a verdade sobre si mesmas, e também algo que deverão fazer para poderem acompanhar a onda de vida na qual se encontram.  

Eu recomendo com empenho esta operação a todas as minhas filhas e filhos queridos, pelo desejo imenso que eu nutro, de que todos quantos vierem a tomar conhecimento das minhas palavras que aqui lhes deixo, possam alcançar a promoção que muitas outras almas já alcançaram no mundo espiritual. A falta de um esforço decisivo neste sentido poderia resultar na estagnação das almas nos planos do Além, por um período de tempo que eu não estou autorizada a mencionar aqui, em planos onde o arrependimento se tornaria o companheiro inseparável dessas almas. Eu faço aqui então um pedido de todo o coração a todas as minhas queridas filhas e filhos encarnados: meditai seriamente na vossa situação presente; e se acaso concluirdes que aquele esforço se faz necessário, porque algo exista a corrigir em vossas vidas, corrigi-o sem demora, a fim de vos incluirdes prontamente entre as almas a serem promovidas em seu próximo regresso ao mundo espiritual. É este o pedido que aqui vos faço, filhas e filhos a quem estimo de todo o coração.  

Em seguida abordarei um tema que eu considero dos mais interessantes, para quantos dele vierem a tomar conhecimento através das páginas deste livro. Abordarei então um tema relacionado com a evolução das almas, ao longo de muitos milênios de peregrinação através dos numerosos planos do Universo infinito. E em que consiste propriamente a evolução? É esta uma pergunta que muitos podem fazer, em sua curiosidade de saberem em que consiste o que se convencionou designar evolução, o que eu procurarei então esclarecer da melhor maneira ao alcance de todos. 

Já referi em capítulo anterior, a origem das almas e sua marcha ascensional, antes e depois de receberem o sopro do Criador. Um caminho imenso, porque infinito, se desdobra à frente de cada uma, qualquer que seja o ramo biológico no qual venha o ser a integrar-se. A jornada apenas iniciada no reino da Natureza prossegue pelos milênios de milênios da vida instintiva, em idas e vindas ininterruptas do plano fluídico ao plano físico, até que a crisálida, de metamorfose em metamorfose, alcance o veículo que a conduza pelo caminho reto, ao conjunto de seres mais próximos da forma humana. Concluído o necessário estágio nesse conjunto de seres imediatamente inferiores ao tipo humano,  ingressam as almas na forma mais rude deste tipo de vida, uma vez que lhes seria de todo impossível acomodarem-se no tipo humano do presente, por exemplo. Seria o mesmo que colocar uma criança a dirigir uma máquina bastante complexa, podendo isso resultar num desastre para a criança. Assim sucede às almas primárias ao ingressarem na forma humana. Ingressam primeiramente em mundos bastante rudes porque também necessitados de progresso evolutivo, onde vão viver suas primeiras experiências de autodeterminação, algumas bastante duras, é verdade, valendo cada uma delas por um novo ensinamento acumulado na formação do patrimônio de sua vivência nesse mundo. As desencarnações e encarnações sucessivas são peculiares a todas as esferas de vida, tanto nas mais como nas menos evoluídas. As almas viventes em cada um dos mundos primitivos ou de formação mais recente, obedecem à mesma lei evolutiva que as deste e de outros mundos mais adiantados, e assim retornam a esse plano tantas vezes quantas se façam necessárias à sua evolução em tais circunstâncias. Isto pode consumir uma, duas, três ou mais dezenas de milênios, até que consolidada esteja nas almas desse plano uma idéia concreta acerca do que lhes seja lícito ou vedado fazer em relação ao seu semelhante. As almas peregrinas dos mundos inferiores à Terra percorrem as diversas escalas sociais da vida peculiar a esses mundos, desde aquelas em que apenas agem pela força do instinto ainda bastante animalizado, porque formado no plano recém-abandonado. Nessa situação de vida instintiva, é que começam a desenvolver-se na alma os sentimentos de amizade, solidariedade e compaixão, num grau que não pode ser comparado a nenhum desses sentimentos que conheceis. Só o perpassar dos milênios tem o poder de aprimorar os sentimentos ali despertados nos seres anímicos, os quais chegarão, mais cedo ou mais tarde, a determinado grau de pureza capaz de levar as almas a considerar a triste inferioridade daquelas que ainda não possuem os seus sentimentos. Esta circunstância evidencia aos Dirigentes espirituais o estado de amadurecimento, por assim dizer, do grupo de almas que começa a exercer o próprio raciocínio, denotando haverem alcançado provavelmente o grau de progresso que aquele plano de vida pode permitir. Esta classe de almas, então, uma vez desencarnadas, é conduzida ao ciclo espiritual do mundo terreno, embora haja de vencer estágios de preparação no mundo espiritual, antes de poder  ingressar no meio terreno.  

Eu aludi em capítulo anterior ao estágio de aprendizado existente no Além, no qual são internadas as almas provindas dos mundos de categoria inferior, às quais são ministrados elementos de vida neste pequeno mundo, por um período de tempo assaz demorado até que essas almas estejam em condições de poderem ser trazidas à Terra. Somente depois de comprovado que as almas internadas se encontram na posse de um perfeito equilíbrio moral, em relação à vida numa comunidade mais adiantada como seja a vida na Terra, é que se lhes permitirá encarnarem neste plano terreno, acompanhadas muito atentamente pelos seus Protetores.  

É aqui então, em contato com os viventes terrenos, observando e aprendendo as lições que a vida oferece, que as almas juvenis, ainda inexperientes, vão dar os primeiros passos numa onda de vida muito mais avançada do que aquela que elas deixaram para trás. Certos fatos dolorosos ou inconvenientes, verificados no dia-a-dia do vosso mundo, podem identificar algumas daquelas almas inexperientes, acostumadas num passado recente ao desforço violento em certas circunstâncias. As leis penais encarregam-se de punir esses fatos pelos meios que lhes são peculiares, proporcionando então às almas faltosas o tipo de punição que prescrevem. Constata-se, contudo, serem mínimas essas faltas praticadas na Terra pelas almas provindas de mundos inferiores, e isto graças à excelente preparação que recebem nos internatos de aprendizado onde estagiaram no Além.  

Vede, agora, filhas e filhos meus, como é sábia e perfeita a lei divina. Quando por uma circunstância imprevisível um ser humano vem a ser vitimado com grave ofensa física ou mesmo a interrupção do seu fio de vida, em consequência da ação violenta de alguma daquelas almas primárias, esse ser humano ao aportar ao seu plano no Além é largamente compensado pela Divina Providência com uma promoção ao plano imediatamente superior, aquele no qual lograria  ingressar se cumprido houvesse com êxito a existência interrompida pela mão de outrem. Esta é a regra geral aplicada nos casos de desencarnações provocadas na Terra por terceiros. Mas, como sabeis que toda regra tem exceções, estas também existem em casos tais. Pode suceder, e sucede frequentemente, que o ser humano vitimado pela ação violenta de outro, tenha no seu patrimônio negativo uma dívida a resgatar, motivada por  fato da mesma natureza por ele próprio praticado em vida anterior. Nestes casos entrou em funcionamento aquele princípio que bem conheceis de que quem com ferro fere com ferro será ferido, e também aquele outro que nos diz que quem mata será morto, evidenciando tais princípios a grandiosidade da Justiça Divina.  

Assim pois, todas as vezes em que tiverdes conhecimento de fatos dolorosos ocorridos neste mundo, em que algum ou alguns dos vossos contemporâneos foram vitimados, deveis considerar que o autor de tais fatos pode ser talvez um instrumento utilizado pela Justiça Divina, em ação de resgate junto àquele irmão que serviu de vítima. Em vez, então, de vos horrorizardes ou anatematizardes o autor, melhor será elevardes uma prece ao Senhor pelos dois, algoz e vítima, a fim de que possam reconciliar-se futuramente. Só a Providência Divina possui meios de conhecer as razões que terão determinado a existência do fato doloroso ocorrido, não competindo assim aos encarnados julgá-lo apenas pelas aparências.  

Para concluir o tema que venho desenvolvendo referente à evolução anímica, eu apenas acrescentarei para encerrar o capítulo, que as almas que estão marchando em direção ao seu próximo regresso ao mundo espiritual, estão sendo observadas muito de perto por Entidades incumbidas de registrar o esforço de cada uma, no sentido de poderem concluir desta vez o seu curso de aprendizado terreno. Aquelas que tal esforço empreenderem podem estar certas de estarem sendo ajudadas neste belo propósito, a fim de poderem vencer o teste final em seu regresso ao plano de vida espiritual. Como estou certa de que todas as minhas filhas e filhos encarnados, que tomarem conhecimento deste livro, estarão entre as almas vitoriosas, eu aqui lhes ofereço a minha cooperação quando julgada necessária, bastando chamar-me por meio da prece ou em pensamento, para que logo me aproxime de cada uma com toda a minha  dedicação. Chamem-me, pois, quando julgarem necessário, filhas e filhos a quem eu muito amo.  

Deixo-vos aqui a bênção que o Senhor vos envia por meu intermédio, e a minha  própria que eu vos ofereço de todo o coração.