Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

terça-feira, 24 de junho de 2014

CAPÍTULO VI – 2ª Parte – Livro: Vida de Jesus ditada por Ele Mesmo. A queda do homem e sua redenção



“O homem caído de sua primitiva pureza”, tem-se dito, “porquanto toda obra saída das mãos de Deus há de ser naturalmente pura; caindo na impureza tão depressa ele se verá por si mesmo amparado e guiado, porque o seu pensamento é curto, acha-se em trevas a fé, e a visão da alma entravada pela falta de conhecimento do espírito. Essa primitiva pureza é pois com relação ao que se refere ao ponto de partida do ser como obra do Pai, porém pobre dos dons do espírito, que tão-só pela queda e pela regeneração, pelo sacrifício e pelo esforço, hão de ser alcançados.”

Difere portanto a primitiva pureza do ser, que lhe foi dada, da que ao ser lhe pertence por sua própria aquisição, com o esforço e o sacrifício, com a queda e a penitência. Mas quando muito fundo a alma mergulhou na impureza e no erro, muito andou a desordem e muito intimamente se entregou às baixezas da materialidade do corpo e das paixões carnais e satisfações de desejos impuros, converteu-se então a alma em escrava da matéria e do corpo; nada já por si mesma pode e preciso lhe é um Salvador, o que portanto aconteceu com o Filho de Deus.

A redenção humana não era já possível somente pelo esforço do homem e necessária era a vinda do Messias prometido, para encaminhá-lo novamente pelo direito caminho que o conduzirá para sua salvação, no além.

O homem espírito é encarcerado no cárcere da matéria, mas para vida de espírito foi criado; fora da matéria há de ser sua liberdade e sua grandeza.

Os anjos no céu moram e anjos também os espíritos dos homens hão de ser.

Nos espaços é o céu, mas não são os espaços o céu. Os espíritos do Senhor estão nos espaços e no céu. Os espíritos do Senhor estão em Deus e o que em Deus está no céu está também.

Irmãos meus, filhos meus, amigos meus, ouvi pois minhas palavras, que a salvação vos traz, com o conhecimento das verdades necessárias para alcançá-la. Abri vossos espíritos à confiança, acreditai em minha palavra que é a palavra do Pai.

Melhorai-vos em vossos hábitos e em vossos desejos, elevai vosso pensamento a Deus e fazei penitência de vossos pecados, confessando-vos também uns aos outros.¹

¹ Deduz-se claramente do que aqui se diz, que a queda do homem não é tal como o Catolicismo o entende, senão que tal expressão possui um significado muito relativo. Compreende-se que o ser possui em embrião todas as faculdades ao vir à vida; inocente como uma criança, é perfeito em sua relatividade, porque não cometeu erros, porém a mesma falta de desenvolvimento em suas faculdades faz que seus primeiros passos sejam seus primeiros erros e a pertinácia consciente neles constitui mais tarde a verdadeira queda.

Mas chegou a tais extremos o domínio que, pela obstinação no erro, lograram as baixas paixões sobre o homem que este não pode já emancipar-se delas, sendo necessária a vinda do Messias para ajudá-lo a retomar o domínio de si mesmo. — Nota do Sr. Rebaudi.