Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

segunda-feira, 22 de maio de 2017

CAPÍTULO XLVI – Livro: Corolarium – ditado pelo Espírito de Maria de Nazareth ao médium Diamantino Coelho Fernandes. As almas fazem seu próprio julgamento no Alto. — Devem prevenir-se desde agora. — Inconformismo impressionante. — A grandeza do amor materno — Ajudar, ajudar sempre. — Este livro não foi improvisado, mas projetado há mais de setenta anos.




As almas presentemente encarnadas neste mundo terreno, depois de aguardarem no alto cerca de um século a sua oportunidade, já podem considerar-se bem próximas da conclusão do seu curso de aprendizado terreno, tantas foram já as suas vindas a este plano físico. Ao regressarem desta vez ao mundo espiritual, onde irão rever todos os detalhes de sua vida presente, hão de ter oportunidade de ajuizar o que tenham feito de bom, de útil, para o seu progresso moral, assim como o que tinham feito contrariamente ao seu progresso. Nesse momento que ocorre invariavelmente a todas as almas, é que lhes cumpre fazer o seu próprio julgamento, em presença dos seus Protetores espirituais, testemunhas que foram de todos os seus atos na Terra. Não será, portanto, fora de propósito chamar a atenção de todas as almas encarnadas para esses momentos históricos de suas vidas, prevenindo-se desde agora contra a prática de quanto possa trazer-lhes desgosto nos dias porvindouros. Conhecedoras desde agora do que terão de viver no Alto quando lá chegarem de regresso, bem fariam as minhas filhas e filhos muito estimados em procurarem cercar-se de atos bons, métodos, para que o prato da balança no julgamento esperado venha a pender com decisão a seu favor. Se tal procurarem fazer desde agora, só terão motivos de alegria e felicidade ao se encontrarem de regresso ao seu plano no Além, numa tranquilidade do aluno que se encontra perfeitamente preparado para enfrentar a banca examinadora.

No meu objetivo de enfeixar neste volume o maior número de esclarecimentos para as minhas filhas e filhos encarnados, eu abordarei a seguir um assunto que eu considero de grande interesse para todos os meus leitores. Falarei então do que nós testemunhamos frequentemente nos diversos planos do Além, à recepção de grande número de almas que regressam da Terra, numa situação tal de inconformismo que impressiona as almas presentes. Ocorre frequentemente aportarem no Além, almas que cumpriram existências mais e menos longas na Terra, onde se dedicaram inteiramente ao interesse dos seus familiares, e muito pouco com elas mesmas em relação à vida futura. Isto sucede, aliás, à grande maioria das almas encarnadas, que, por se encontrarem na posse de um corpo de carne, se esquecem totalmente do mundo espiritual donde vieram e para onde hão e voltar mais cedo ou mais tarde. Totalmente envolvidas pelas coisas ilusórias do mundo terreno, muitas almas nem sequer dispõem de tempo para orar ao Senhor, para que Ele saiba que existem e se encontram na Terra. Todo o tempo destas almas se escoa na luta pela vida como alegam algumas, e nas diversões da noite, onde comparecem com o propósito de distrair o Espírito. Ao regressarem tarde da noite, abatidas pela fadiga, atiram-se diretamente ao leito, sem tempo, portanto, para darem sequer boa noite ao Senhor. A esta classe de filhas que eu muito estimo em meu coração, é que eu desejo dizer algumas palavras de mãe amantíssima como eu me esforço ser para quantas almas se encontram na Terra em todos os tempos. O termo amantíssima, eu o justifico com a concordância de que vos amo a todas de todo o coração, minhas almas queridas, e procuro velar por vós em todos os momentos. Não podereis sequer imaginar, enquanto estiverdes na Terra, a minha preocupação em proporcionar-vos uma vivência tranquila, onde quer que vos encontreis, filhas e filhos queridos, mesmo àqueles que não se lembram de que eu existo e muito me preocupo com suas situações. É comum dizer-se entre vós, e com todo o acerto, que um coração de mãe pôde abrigar igualmente a todos os filhos sem menosprezar a nenhum e isto é uma pura verdade. Podeis constatá-la facilmente nas grandes famílias da Terra, se perguntardes a qualquer dessas mães a qual dos filhos ela mais quer ou estima. Sua resposta será bem difícil porque em verdade nenhuma mãe terrena sabe distinguir no seu amor e cuidados a nenhum filho. Em muitas delas encontrareis até este detalhe da grandiosidade do coração materno: um filho às vezes menos dócil, porque mais rebelde aos conselhos e votos maternos, é justamente o que mais desperta os zelos de sua mãe, em sua grande preocupação pelo futuro do filho. Transportai agora a grandiosidade deste sentimento sacrossanto para o plano espiritual onde me encontro, em posição de acompanhar os passos de todas as almas encarnadas que eu me empenho em considerar filhas e filhos do meu coração, e podereis então avaliar toda a extensão do meu amor por vós. Deus é amor, já o sabeis, e esse amor se irradia da Divindade em todas as almas do Universo, tocando-as, envolvendo-as, a tal ponto que ao atingirem determinado grau de pureza, elas passam a viver amor, amor, e somente amor. Essa é bem a situação em que eu me encontro em relação a todas vós, filhas e filhos do meu coração. O meu amor se expressa neste desejo imenso que eu nutro de vos ajudar em vossa vivência terrena, de estar bem perto de vós em todos os momentos de alegria ou de dor, não esperando sequer que me chameis. Bem certo é, porém, que muito mais eficiente se torna a minha ajuda quando uma alma encarnada me chama em seu coração, porque nestes casos eu posso neles penetrar mais facilmente pela porta que seu chamado me abriu. Podeis, ficar certas todas vós, almas queridas, que toda a minha atividade no mundo espiritual consiste exclusivamente em ajudar, ajudar, ajudar sempre.

A graça que em tempos recebi do Pai Celestial, de trazer à Terra a figura ímpar do Senhor, produziu em meu ser um índice tão elevado de refinamento, que todos os meus sentimentos e vibrações passaram desde então a ser dirigidos à coletividade espiritual de que faço parte. Passei naquela fase de minha vida multimilenar a uma situação que eu denominarei de auto suficiência, de nada mais necessitando para eu própria. Meus trabalhos e compromissos, porém, cresceram e se ampliam constantemente, minhas filhas e filhos queridos. Minha própria felicidade passou a depender da vossa, o meu progresso dependendo do vosso, e minhas alegrias maiores ou menores em perfeita consonância com as vossas. Assim, se vos sentirdes ditosas nos vossos dias terrenos, eu, que me encontro junto aos vossos corações, participo convosco dessa alegria e felicidade, mas me abato, e muito, quando o sofrimento vos atinge.

Vindo neste momento histórico da Terra escrever um livro para nele vos falar mais de perto ao coração, eu desejo abordar quantos assuntos possam interessar ao progresso que todas viestes buscar neste pequeno mundo terreno. Desejo afirmar-vos de todo o coração, que recebo no Alto os vossos pensamentos com a rapidez do relâmpago, todas as ocasiões em que vos lembrais de mim. E por maior que seja o volume dos pensamentos que recebo de todas as partes do mundo, quero dizer-vos que nenhum deles se perde ou deixa de ser atendido a seu tempo. Já vos expliquei em capítulo anterior que muitas e muitas vezes me pedem coisas muito além as minhas possibilidades, levando-me a pleiteá-las junto ao Meu Amado Filho. Ainda assim tenho conseguido atender a esses pedidos com a graça do Senhor. Vedes pelo que digo, que eu não meço dificuldades para atender aos vossos pedidos, em princípio, porque sois almas encarnadas necessitadas de luz e progresso, e depois porque conheço de sobra o ambiente terreno, onde tenho estado numerosas vezes palmilhando como vós estes áridos caminhos. Continuai, então, a dirigir-me os vossos apelos sempre que vos aprouver, na certeza que aqui vos dou de me esforçar em atendê-los com a brevidade permitida pelas circunstâncias.

Este livro que tendes à mão não foi improvisado, absolutamente, como talvez possa parecer a alguém. Este livro foi projetado desde o momento em que o meu intermediário se preparou para descer à Terra nos últimos anos do século XIX. O Senhor necessitava de dispor de um elemento da sua confiança na Terra, que pudesse começar a trabalhar na segunda metade do século XX, precisamente para servir de intermediário das Entidades designadas também desde então, para divulgar os conselhos e advertências que estão circulando, recebidas psicograficamente por este instrumento. Nessa ocasião, isto é, eu projetei também o livro que ora compulsais, através do qual eu pudesse conversar com as minhas filhas encarnadas para lhes dizer estas coisas ao coração. Mas não foi assim tão fácil realizar este propósito. Muitos tropeços surgiram na vida deste querido instrumento, antes que ele pudesse realizar a presente tarefa. Ele contava então com mais de setenta anos, sendo fácil imaginar então o longo caminho percorrido e as dificuldades vencidas pelas Forças Superiores para o livrar dos perigos. Além de outros, surgiu uma enfermidade tão grave na juventude do instrumento, que ele fora dado por morto sob os efeitos da terrível febre-amarela que ainda assolava este País, na primeira década do XX. E efetivamente ele teria desencarnado se não estivessem tão atentas as Forças Superiores. Por sua influência um enfermeiro lembrou-se de experimentar no enfermo um medicamento novo para casos extremos, o que resolvera fazer por sua exclusiva responsabilidade. O enfermeiro, uma bela alma que está presentemente em nosso plano, raciocinara da seguinte maneira:

— O rapaz vai morrer mesmo, se já não estiver morto. Assim, vou tentar o recurso extremo deste remédio. Quem sabe se dará resultado.

E aplicou a injeção no enfermo. Com surpresa verificou que o mesmo deu sinais de vida, e resolveu aplicar uma segunda dose. A reação foi então a mais satisfatória. O enfermo abrira os olhos e continuava a viver. Maior foi, porém, a surpresa do médico, quando na manhã seguinte, ao fazer a visita habitual, recebeu a notícia do ocorrido. Somente as Forças Superiores sabem, porém, avaliar os esforços empregados para salvar a vida do meu instrumento, para que o mesmo pudesse chegar aos dias presentes, em que tão importante serviço está prestando ao Senhor Jesus. Não foi, entretanto, aquela a única oportunidade em que as Forças Superiores necessitaram de intervir em favor da saúde do instrumento. Foram várias essas oportunidades ao longo da sua trajetória. A última verificou-se, quando se tornou necessário operar as duas vistas, que se iam extinguindo lentamente. Tudo foi feito então no plano espiritual para recuperá-las, precisamente nas vésperas de dar início à tarefa que tantas bênçãos e luzes está acarretando para a sua grande alma.

Todo este relato que faço tem o objetivo de demonstrar a todas vós, almas queridas, o monte de obstáculos que sempre se antepõem na Terra aos desígnios do Senhor. Ele serve inclusive para que fiqueis certas também de que, quando uma alma desce à Terra no desempenho de missão de serviço divino, ela vem acompanhada da maior proteção possível, para que possa desempenhar sua missão. Da mesma maneira, quando uma alma aqui se dedica de coração ao Senhor Jesus, e procura servi-lo com dedicação e amor, ela atrai imediatamente do Alto a proteção de que possa necessitar para bem servir ao Senhor. O Senhor necessita tanto de bons servidores na Terra, que ao primeiro sinal de devotamento por parte de uma alma encarnada, logo as Forças Superiores se movimentam para ampará-la e protegê-la. Quem sabe então, almas queridas, quantas de vós vos encontrais em tal situação. Se acaso estas palavras lograrem despertar em vossos corações o desejo sincero de vos constituirdes novos servidores do Senhor, não tendes mais do que dizer-lhe isso em vossas preces, e rogar que vos seja indicada a vossa tarefa. O Senhor dispõe de tarefas para todos, uma vez que bem conhece as possibilidades de cada alma. Se isso vos agradar, almas queridas, dirigi-vos hoje mesmo a Jesus, Nosso Mestre e Senhor, e já amanhã iniciareis a vossa tarefa. E contai também comigo ao vosso lado, com todo o meu amor por vós.

Deixo-vos aqui a bênção que o Senhor vos envia por meu intermédio e a minha própria que eu vos ofereço de todo o coração.