Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

terça-feira, 2 de maio de 2017

CAPÍTULO XXXIX – Livro: Corolarium – ditado pelo Espírito de Maria de Nazareth ao médium Diamantino Coelho Fernandes. As almas encarnadas com menos de vinte anos. — Bem sério compromisso assumido no Alto. — Espíritos missionários nos corpinhos infantis. — Ensinai estas crianças a orar desde os primeiros anos. — Buscai sempre o amparo do Senhor.




As almas encarnadas neste mundo terreno, que contarem menos de vinte anos de idade no corpo, assumiram um compromisso muito sério no Alto, ao se prepararem para descer à Terra em sua presente existência. Encontram-se nessa idade jovem almas possuidoras de valiosos conhecimentos científicos e planos de realizações na Terra, que bem se poderá dizer que lhes cabe a maior responsabilidade que já foi atribuída a seres humanos em todas as épocas.

Efetivamente, muito devem contribuir os jovens do momento para a instituição de novos e valiosos princípios na vida terrena, transportando o que agora existe para o que deve servir à nova civilização de que passaram a fazer parte. Sim, minhas filhas e filhos queridos; os jovens que já se encontram na Terra, assim como todos os que iniciam os seus primeiros passos neste plano físico, estão incumbidos pelas Forças Superiores, de acionar na Terra as modificações a serem operadas em todos os setores, desde a alimentação, a educação, ao sistema de ensino técnico, aos transportes terrestres, marítimos e aéreos, onde diversas inovações virão impulsionar o progresso da vida terrena. É necessário, por conseguinte, que os pais ou responsáveis por esses jovens que estão chegando em seus lares, se ponham em comunicação constante com as Forças Superiores, para delas receberem a inspiração de que carecem para o encaminhamento dos filhos que a Divina Providência lhes confiou para criar, educar e encaminhar na Terra. Lembrem-se, pais e responsáveis, que ao seu lado se encontram Protetores e Guias espirituais com a missão especial de os inspirar no encaminhamento dos filhos, a fim de que possam os mesmos dar fiel e integral cumprimento à sua luminosa missão. Eu não estarei exagerando em vos dizer que nesses corpinhos que ainda carregais ao colo, assim como naqueles que se preparam, desde a escola primária até às universidades, encontram-se Espíritos missionários a serviço do Senhor Jesus, todos do mais alto nível espiritual. Colaborando com o Divino Mestre desde longos séculos, esses Espíritos adquiriram em vidas pretéritas todos os conhecimentos que a escola terrena lhes podia fornecer, e desde então permaneceram no Alto a serviço do Senhor. São, assim, almas que aceitaram uma nova encarnação neste plano físico, onde vêm contribuir com os seus conhecimentos e a sua luz, para o aceleramento do progresso material e moral do mundo terreno. O Senhor Jesus, que acaba de se instalar também no solo terreno para acompanhar de perto os trabalhos em andamento, mantém-se atento igualmente ao desenvolvimento destas almas na direção que prometeram seguir. Torna-se, pois, necessário que os pais ou responsáveis ensinem as crianças a orar desde os primeiros anos, a fim de atraírem para junto de si toda a proteção e ajuda de que vão carecer pela vida afora.

Tendo-me referido em princípio aos jovens dos vinte anos e das crianças, eu desejo esclarecer igualmente aos maiores dessa idade que sua missão também se reveste de importância muito grande, tanto para si próprios como para a coletividade. De um modo geral, todas as almas encarnadas desde o início do século XX são portadoras de compromissos assumidos no Alto, compromissos livremente assumidos e até solicitados, no empenho de verem deferido o seu pedido de voltarem à Terra. Portadoras, portanto, de tais compromissos, é lhes de todo conveniente desempenhá-los a contento do Senhor, para d’Ele receberem no regresso aquele belo foco de luzes que tanto ambicionam possuir. Pode suceder que a circunstância de se encontrarem hoje revestidas do corpo carnal, e as constantes diversões terrenas de que vivem cercadas, muitas almas tenham olvidado por completo os compromissos assumidos no Alto e nada tenham realizado nesse sentido até aos dias que correm. Eu aqui lhes direi, porém, que nada está perdido por tais motivos, e cada dia que nasce lhes trará novas oportunidades. Aquelas, por exemplo, que ao lerem estas palavras sintam o desejo sincero, firme, de realizarem algo do que prometeram e não consigam recordá-lo, adotem o princípio da meditação em seguida à sua oração da noite, e verificarão com alegria quantas idéias, verdadeiras revelações, imediatamente lhes ocorrerão. As almas que assim desejarem integrar-se na sua exata missão terrena obterão por este meio o esclarecimento de suas mentes, e poderão recuperar muito, se não tudo; do cumprimento de sua missão trazida à Terra. Desejo esclarecer um pormenor que considero importante, e que poderá ocorrer a alguém como meio de servir ao Senhor, o qual seria empenhar-se na distribuição de esmolas aos pobres, com o sentimento daquele conceito de que quem dá aos pobres empresta a Deus. Convém saber que nem sempre o conceito é verdadeiro, considerando que existem pobres e pobres por toda a parte. Existem os pobres, infortunados através dos reveses sofridos na sua vida, inclusive vitimas de enfermidades várias, aos quais se deve ajudar de toda a maneira. Mas outros pobres existem porque disso se prevalecem para estender a mão à caridade, quando podem viver ainda do seu trabalho, se quiserem trabalhar. A esmola a esta classe de pobres apenas contribui para a ociosidade, não podendo assim enquadrar-se naquele velho conceito. Outros devem ser, portanto, os caminhos a seguir por quantos desejarem servir, verdadeiramente, ao Senhor na Terra. Esses caminhos serão apontados na meditação de quantos desejarem conhecê-los, para que sigam por eles. São tantas e tão variadas as maneiras de servir ao Senhor na Terra, que não poderiam ser aqui indicadas. Elas estão sempre relacionadas com as características de cada ser humano, suas possibilidades e desprendimento. Uma dessas maneiras ao alcance inclusive dos menos afortunados é a oração pelos necessitados, pelos enfermos e até pelos criminosos, para que uns e outros se recuperem. Aqueles, por conseguinte, que se sentirem impossibilitados de servir ao Senhor por outros meios, podem servi-lo orando pelos semelhantes das categorias apontadas, certos de que estarão em verdade realizando uma útil tarefa. O Senhor lhes agradecerá, reconhecido, todo o bem que houverem pedido para os semelhantes necessitados.

Em seguida eu abordarei outro assunto para o vosso maior esclarecimento enquanto na Terra. Referir-me-ei em seguida ao que acontece muito frequentemente às almas encarnadas que preferem viver a sua vida terrena inteiramente desligadas do mundo espiritual, completamente olvidadas de que são Espíritos encarnados, mas que logo o deixarão de ser, regressando ao estado anterior pelo fenômeno morte. Nós que observamos do Alto muito atentamente o que se passa na Terra com as almas encarnadas, somos frequentemente despertados em nossa atenção pelas cenas de violência física entre duas almas encarnadas, muitas vezes com o resultado mais triste, infelizmente. Quantas vezes isto sucede entre seres humanos que pouco ou nada se conhecem, mas que uma influência perturbadora consegue pôr em choque para os prejudicar por simples prazer. Observamos então serem essas criaturas almas de bons sentimentos; pacatas e corretas em sua vida, sentido-se em dado momento frente a uma discordância com outra, mas uma discordância que poderia desfazer-se por si mesma sem maiores consequências. Sucede, porém, quase sempre em tais momentos, encontrarem-se por perto certas Entidades desencarnadas possuidoras ainda de instintos maus, as quais logo se aproximam e se envolvem no assunto, procurando jogar uma contra a outra, as almas encarnadas. Isto é o que sucede muito frequentemente, com grande pesar para todas nós do mundo espiritual. E o mais comum é postarem-se duas Entidades de maus instintos, uma ao lado de cada qual das almas encarnadas, projetando sobre sua vitima toda a sua maldade para que a mesma se engaje em luta contra a sua semelhante. Tal seja, então, o poder maléfico daquelas duas Entidades desencarnadas, pode suceder até a desencarnação de uma daquelas pobres criaturas ao fim de uma discordância gerada pela maneira descrita. Resultado: a desencarnação de uma alma que muito necessitava ainda de permanecer na Terra, e o encarceramento da outra, igualmente prejudicada em sua vivência terrena.

Em face do exposto, eu quero deixar aqui o meu conselho a todos vós, filhos e filhas encarnados. Este conselho é no sentido de que busqueis diariamente a vossa proteção no Senhor, Amparo e Protetor de todos vós. Buscai esse amparo e proteção diariamente através da vossa prece, para que vos torneis imunes à maldade das Entidades do plano inferior do mundo invisível, que não conseguirão sequer aproximar-se de vós. A alma que ora diariamente ao Senhor recebe no mesmo instante, transformadas em luminosidade, as vibrações da prece elevada, e essa luminosidade acumulada em torno da alma, é que impede a aproximação das Entidades do mundo inferior, exatamente as promotoras do maior número de acontecimentos indesejáveis, porque prejudiciais aos seres humanos. Sabendo disto, pelo esclarecimento que vos transmito nestas palavras, nenhuma de vós, almas queridas, olvidará jamais a elevação da sua prece ao Senhor, e, de outra parte, jamais se empenhará em discussão, seja sobre que assunto for, com qualquer dos vossos semelhantes. A sabedoria em tais casos, quando se apresentem, estará, invariavelmente, com aquele que souber conter-se, considerando que nada de bom poderá colher do resultado duma contenda. E se lhe ocorrerem nesses momentos estas minhas palavras, retraindo-se de discutir com o semelhante, ainda que o mesmo se considere o certo, então poderá considerar-se verdadeiramente sábio, por ter evitado talvez um grande aborrecimento. Esta é também uma faceta da sabedoria. O homem sábio não é só aquele que possui os maiores conhecimentos científicos e linguísticos da Terra; mas igualmente todo aquele que souber evitar um debate inconveniente com o semelhante, ainda que o mesmo se atribua a superioridade ou a sapiência no assunto. Para o Senhor Jesus, mais valerá a sabedoria de quem soube conter-se serenamente, em homenagem à harmonia que deve existir entre todas as almas encarnadas.

Mas ainda desejo tratar deste assunto sob outro aspecto. Para todas nós, almas viventes no mundo espiritual, é motivo de grande alegria podermos testemunhar do nosso plano, a manutenção do princípio da harmonia entre as almas encarnadas, pela deliberação de uma delas em se recusar a alimentar uma divergência de pontos de vista, com outra alma igualmente encarnada. Aquela que assim procedeu torna-se desde logo merecedora do nosso incondicional apoio, no sentido de a fortalecer no seu entendimento, como também de projetarmos novas luzes sobre o seu diadema, para ajudá-la a galgar mais rapidamente os degraus que ainda lhe faltarem para atingir o cimo da montanha da sua sabedoria. E a propósito eu recordarei aqui o velho conceito de que os sábios verdadeiramente sábios não discutem. Eles formulam a sua opinião baseados no que conseguiram aprender ao longo de suas inúmeras experiências, e jamais discutem com seus interlocutores. Estes se apresentam muitas vezes apenas ansiosos de contrariar as idéias dos sábios para conseguir perturbá-los e apresentá-los vencidos. Os sábios, entretanto, dentro da relatividade da sua sabedoria, enunciam as suas opiniões quando isto lhes parecer conveniente, porém não as discutem. Se ouvirem de seus interlocutores opiniões dignas de estudo, os sábios as recolhem e vão estudá-las, sem, contudo, se submeterem a discussões que podem resultar estéreis. Eis um conselho a mais que eu aqui vos deixo: não discutais jamais, seja em torno do que for. Uma vez formulada a vossa opinião resultante dos vossos conhecimentos e experiência, deveis retrair-vos para não dar campo a discussão. Se isto se der em público, e vos sentirdes seguros do que disserdes, ficai com a vossa opinião, mas fazei-o respeitosamente para com o vosso interlocutor. O público ou vos apoiará, ou apreciará a vossa conduta respeitosa, embora fique com a opinião contrária. Jamais aceiteis, outrossim, a tarefa de contradizer o vosso semelhante, visando a derrotá-lo. É este um tipo de discussão dos mais lamentáveis. Quem semelhante tarefa aceita, arrisca-se a uma possível derrota moral além de se deprimir a si mesmo perante os seus amigos e Guias espirituais que o acompanham e protegem no sentido de outro tipo de vitórias, as vitorias do Espírito, que são as vitórias morais. Eis, filhas e filhos queridos, um assunto sobre o qual eu vos convido a meditar, pelo muito que tereis a lucrar espiritualmente. Ele aí fica para vossa meditação.

Deixo-vos aqui a bênção que o Senhor vos envia por meu intermédio, e a minha própria que eu vos ofereço de todo o coração.