Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

11ª mensagem de ensinamentos espirituais - do Livro: Nova Ordem de Jesus



Ditada pelo Apóstolo Thomé
 Em 18-7-1970 Rio de Janeiro - Brasil
O SENTIDO ESPIRITUAL DAS OBRAS TERRENAS – TODAS AS OBRAS DEVEM TER ALMA –  AS LEIS ESPIRITUAIS –  O VIAJANTE E A FERA –  NECESSIDADE DA ORAÇÃO DIÁRIA À DIVINDADE

PARA ESCLARECER devidamente a todos os homens e mulheres que na Terra se encontram uma vez mais em busca de luz espiritual, o Senhor decidiu criar esta NOVA ORDEM, através da qual está dirigindo estas Mensagens ao mundo terreno. Deseja o Senhor que ao comemorar os primeiros dois mil anos de Sua vinda à Terra em corpo humano, as almas que lograram reencarnar no século passado e neste,  se esclareçam devidamente e possam alcançar o grau evolutivo que tanto desejavam ao partirem para a sua presente encarnação.

As almas que estão chegando à Terra a partir da segunda metade do século passado, já trouxeram consigo um grau espiritual que lhes permitirá realizar novos e grandes progressos materiais em favor do adiantamento do planeta. Necessitam, porém, estas almas, que se lhes fale da vida espiritual e dos compromissos que assumiram perante os dirigentes do mundo espiritual, para que as suas realizações não se assemelhem a corpos sem alma, mas se afirmem como obras de sentido espiritual.

Toda obra material para se tornar eficiente, duradoura, e de utilidade para quantos vivam na Terra, necessita de possuir o sentido espiritual transmitido pelos seus realizadores. Esse sentido espiritual decorre do pensamento dos realizadores voltado para o mundo espiritual através das orações diárias à Divindade, recebendo em troca a clarividência de suas idéias na construção das obras que empreenderem. Sem este sentido espiritual  toda obra será considerada obra morta, assim como o corpo deixado pelo Espírito.

O sentido espiritual adquirido através da oração diária à Divindade, é considerado pelas Forças Superiores a alma da obra. E uma obra provida de alma, é uma obra destinada a longa duração e real utilidade para seus usuários. Vamos exemplificar considerando, por exemplo, a construção de uma ponte, tão comum e necessária em toda parte. Se, portanto, os construtores da obra se mantiverem em contato diário com a Divindade por meio da oração noturna, pelo menos, eles receberão do mundo espiritual as  necessárias  instruções acerca do seu trabalho, desde a execução dos planos elaborados, até a colocação e resistência do material empregado, uma autêntica colaboração das Forças Superiores que se mantêm presentes e atuantes para o completo êxito da obra.

Em tais circunstâncias,  podem estar seguros  os construtores da ponte imaginária que nada  faltou para torná-la uma obra segura, eficiente e duradoura. Uma obra construída com a colaboração das Forças Superiores do mundo espiritual será para durar longos, longos anos, talvez séculos até. Ao passo que aquela que tiver sido construída com o sentido material exclusivo, porque os seus construtores hajam dispensado a colaboração das Forças Superiores, seja porque motivo for, não oferecerá a mesma  resistência e segurança, e poderá vir a desmoronar de maneira imprevista.

Aqui se confirma a assertiva de que todos os corpos possuem, ou devem possuir uma alma. No caso da ponte em referência, a alma está representada nas orações proferidas diariamente pelos seus construtores, constituindo assim a presença vibratória das Forças Superiores a prolongar a vida e resistência da obra pelos anos em fora.

A exemplificação que o Senhor Jesus manda divulgar é de um valor inestimável para todos os homens e mulheres, constituindo o segredo da duração e eficiência de muitas obras construídas na Terra. Aquelas em que seus construtores, por intuição se lembraram de pedir à Divindade as suas bênçãos e inspiração para as obras em curso, receberam-nas efetivamente e por vezes descobriram detalhes a corrigir. Suas construções se tornaram sólidas, seguras e eficientes, e aí estão a desafiar a inclemência dos tempos. Isto que acabais de ler constitui apenas um detalhe das leis espirituais, criadas especialmente para serem invocadas pelas almas viventes em todos os planos do Universo.

Estabelecem estas leis que aquele que pede, recebe, e jamais alguém terá apelado em vão para as leis espirituais, também chamadas leis divinas. Refere-se o Senhor nas linhas acima à construção das obras materiais com o apoio das leis divinas.

Deseja, porém, esclarecer o Senhor, que estas leis funcionam em todos os setores da vida terrena, quando invocadas pelos seres humanos regularmente, estabelecendo uma ligação permanente com a Divindade.

Casos ocorrem muito freqüentemente em que o homem como a mulher resolvem apelar em determinados momentos para a Divindade, num momento de perigo, por exemplo, em  que se sentem atemorizados. Nesses momentos a Divindade acorre ao chamado e opera o que puder operar no sentido de livrar o ser humano do perigo. Isto a Divindade o faz dentro daquele citado princípio de que quem pede, recebe.

O melhor entretanto, o mais aconselhável pelas próprias Forças Superiores representantes da Divindade, é evitar os momentos agudos de perigo, mantendo uma ligação constante com a Divindade por meio das orações noturnas, para que a Divindade se incumba de conduzir as criaturas pelos melhores caminhos, onde os perigos não existem.

É conhecido no mundo espiritual um episódio ocorrido na Terra, do qual se afere todo o valor da prática da oração. Trata-se de um viajante profundamente religioso que teve de passar em local  freqüentado por certos animais carnívoros, de grande ferocidade. O viajante deste episódio considerava sua maior proteção numa oração que recitava com fervor todas as noites ao deitar, e a conduzia em seu coração nas suas viagens.

Atravessando pela primeira  vez  um local situado numa região freqüentada  por  animais ferozes, ele deparou com um deles e dos mais temidos, deitado precisamente no leito da estrada que percorria. Sua emoção foi grande ao constatar o fato.

Sustou os passos do animal enquanto enviava um pensamento de socorro a Divindade, em quem o viajante confiava cegamente. E iniciou ato contínuo a oração que portava no coração. Eis que dentro de instantes a fera ergueu-se, olhou-o, estática, penetrando a seguir na floresta numa fuga desabalada, como se estivesse sendo perseguida.

O  viajante não se surpreendeu porque a  sua  fé  no socorro divino era inablável. Esse o fato material em si. Agora o que se passou de maneira invisível para o viajante. Tão depressa ele enviara o pensamento de socorro à Divindade apoiado na  sua  fé na oração que recitava todas as noites, formou-se no plano invisível um tipo de socorro adequado ao que ocorria.

Entidades socorristas ocorreram ao local do fato munidas de uma projeção luminosa de tal  poder, que, lançada sobre a fera estendida na estrada a deslumbrou a  tal ponto, que a induziu a fugir a toda a velocidade. E foi o que ela fez, não chegando sequer a tentar atacar o viajante. Completamente ofuscada pela projeção lançada pelas Entidades socorristas, a fera apavorou-se e penetrou a toda velocidade na floresta. Estava salvo o viajante por sua própria iniciativa. Podereis perguntar talvez: se o viajante não tivesse o hábito de orar diariamente ao deitar, e o fizesse na ocasião do perigo, teria recebido o mesmo tipo de socorro? Nosso Senhor Jesus responde à pergunta imaginária dizendo que o socorro pedido à Divindade é sempre concedido.

Existem, porém, vários graus de socorro. Uma alma que se habituou a orar fervorosamente à Divindade, construiu no mundo espiritual uma situação algo diferente daquela que apenas pede socorro nos momentos de perigo. A diferença é a seguinte: as almas que oram por hábito e convicção constroem para si próprias no mundo espiritual uma situação de proteção e socorro que funciona por assim dizer, automaticamente, à simples emissão de um pensamento de socorro ou proteção por parte dessas almas.

Foi o que sucedeu ao viajante do episódio no momento em que se encontrou em sério perigo na estrada. O pensamento por ele emitido acionou o dispositivo de socorro no plano invisível, e este se positivou imediatamente e com tal intensidade, que a fera se sentiu compelida a fugir em face da projeção luminosa caída sobre ela.

O que poderia acontecer a outra criatura não habituada a oração diária, desprovida, por conseguinte, de um dispositivo de socorro no plano invisível ou mundo espiritual, seria, provavelmente, ter de enfrentar a fera com os próprios recursos, mas correndo o risco de ser vencida, e nesse caso...

Tudo aconselha as almas encarnadas, vivendo num plano em que os perigos existem a cada passo, a criarem o hábito da oração diária a Divindade, primeiro, para que a Divindade saiba que elas existem e onde se encontram; e segundo, para estabelecerem no mundo espiritual o seu dispositivo de proteção, do qual tanto necessitam em sua permanência no mundo terreno. O socorro espiritual ou divino, manifesta-se  em todos os setores da vida terrena.

O motorista, por exemplo, que conduz o seu veículo tranqüilamente, pode deparar com um precipício a sua frente, ou a ele ser impelido e aí se precipitar. Se cultivar com empenho o hábito da oração diária à Divindade, pode estar certo de receber o socorro necessário, o qual se manifestará de qualquer destas duas maneiras: ou terá sido intuído da possibilidade do perigo e tratará de evitá-lo, ou, se tal intuição o motorista não tiver percebido, será socorrido de maneira a escapar do acidente.

Se, porém, se habituou a viver exclusivamente a vida da matéria com desprezo pela vida do Espírito, várias coisas poderão decorrer de um tal acidente. Tanto poderá escapar com o mínimo de sofrimento, como poderá partir do local para o mundo espiritual, onde, então, bem se informará acerca do valor da oração diária à Divindade. A citação do motorista e do provável acidente é apenas um exemplo entre milhares.
Os acidentes ocorrem a todo momento em todos os setores da vida terrena. Vós todos os constatais através do noticiário da imprensa mundial, verificados no solo, no mar e no ar, sempre com determinado número de vítimas a lamentar. As pessoas, porém, que elegerem a sua prece diária à Divindade, podem estar seguras de contar com o socorro necessário no momento oportuno.

Não foi, notai bem, a Divindade que as distinguiu das demais nesse momento de  perigo; foram elas próprias que construíram no mundo espiritual o dispositivo de proteção e socorro que lhes valeu na emergência. Notai bem isto.

Somente a oração evita os desvios!

Dai alma ou sentido espiritual ao vosso trabalho!

Ainda há tempo para que o interessado conclua o seu aprendizado terreno.