Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

CAPÍTULO XXX - CONTATO COM O DIVINO SALVADOR - Livro: Derradeira Chamada. Psicografado por Diamantino Coelho Fernandes. Ditado pelo Irmão Thomé.




Por uma simples questão de sua própria conveniência, deveriam os Espíritos encarnados na face da Terra, dedicar algumas horas por dia ao interesse de si próprios na esfera espiritual, e um pouco menos aos interesses materiais. Enquanto estes últimos ficam na Terra para se dissolverem em favor de terceiros, os interesses do Espírito partem com ele e o acompanham no mundo espiritual. 

É esta uma verdade que deveria ser ensinada pelas religiões terrenas aos seus adeptos, mostrando-lhes de mil maneiras, quanto precária se torna a fortuna de bens materiais em detrimento daquela que todos os seres humanos vieram buscar em sua presente encarnação. 

Isto constituiria sem dúvida um grande auxilio aos adeptos de qualquer credo religioso, e muito contribuiria para que eles conseguissem alcançar a redenção espiritual em menor número de encarnações. Nosso Senhor exultaria com isso, e por sua vez distribuiria bênçãos e luzes aos mentores desses credos, religiões ou filosofias terrenas. 

O que, entretanto, não pôde ser feito até agora, já não mais o será em face da remodelação a ser operada neste pequeno planeta, para possibilitar a vinda de Espíritos adiantados que devem constituir a humanidade, como ficou dito em capítulos anteriores. 

Algo que ainda se encontra ao alcance de cada um e que muito poderá contribuir para a sua redenção espiritual, segundo o grau evolutivo em que se encontrem, já foi igualmente aconselhado em meu livro anterior e repetido neste, que é o contato diário com o Divino Salvador por meio da prece e da meditação.
 
Se para os Espíritos encarnados mais evoluídos, isto pode constituir a própria redenção espiritual, para os demais isto é, para os menos evoluídos, para os que ainda supõem que a vida na Terra consiste apenas na utilização de quanto aqui existe de material e grosseiro, para esses, igualmente, a prática de seu contato diário com o Senhor Jesus, n'Ele se amparando quando necessário, e para Ele apelando em seus momentos de dificuldades poderá também proporcionar-lhes vantagens de tal monta, que de certo os surpreenderão quando regressarem aos planos donde vieram para a Terra. 

Não fora o grau de atraso espiritual em que ainda vivem os homens e mulheres na Terra, completamente olvidados dos compromissos assumidos ao reencarnarem, certamente que as Forças do Bem teriam ensejo de utilizar outros meios de lhes mostrarem boa parte das belezas que aguardam, no Alto, a quantos fizeram de sua presente encarnação o meio de adquirirem maior luminosidade para seus Espíritos.

Maior fosse o interesse manifestado pelos homens e mulheres em compreender, assimilar e praticar os ensinamentos que lhes têm trazido do Alto as Forças do Bem, e possível seria apresentar-lhes certos fatos espirituais em forma de projeções cinematográficas que os deixariam deslumbrados. Nesta altura de tempo, era de esperar-se que pelo menos uma terça parte da humanidade já tivesse desenvolvido a vidência espiritual, o que possibilitaria a essas pessoas apreciarem fatos e episódios realmente preciosos para a sua redenção. 

Muito se têm empenhado as Forças do Bem na difusão dessa utilíssima faculdade entre os encarnados do momento que passa, porém sem resultados apreciáveis até agora. Tal circunstância resultará em dificuldades para todos após a sua desencarnação, porque, não tendo desenvolvido aquela faculdade quando no corpo, ver-se-ão, na contingência de a desenvolverem no Espaço, para que possam enxergar o lugar em que se encontram, e bem assim amigos e parentes que se aproximam. 

Já me referi ao assunto em páginas anteriores, e se nele volto a insistir, é apenas pelo meu grande desejo de que os meus leitores possam vir a constituir, por assim dizer, uma classe privilegiada de encarnados que nenhuma dificuldade encontrarão ao regressarem aos luminosos planos do Além. 

Bem compreendo o quanto constrange os meus queridos irmãos e amigos, falar-lhes eu em regresso ao mundo espiritual. Isto entretanto, todos o sabem, é o que de mais certo, infalível, existe na vida terrena, e ai de todos nós se assim não fora. 

Imaginemos só para argumentar, que a vida do corpo não tivesse fim, e o Espírito nele tivesse de permanecer séculos e séculos, a lutar contra as dificuldades peculiares à matéria. Tempos chegariam de certo, em que a posição forçada do corpo seria a horizontal, forças totalmente alquebradas ou extintas, a vista deficiente e o que mais fora, mantendo prisioneira a alma jovem, de seu natural alegre, jovial, porém encarcerada sem meios de libertação. 

Devemos concluir, assim, que a Sabedoria Divina conferiu ao Espírito um corpo de carne, com a duração de que o mesmo possa necessitar para o seu aprimoramento espiritual nesse lapso de tempo. Agora, se muitos dos encarnados transformaram a vigência de sua encarnação em objeto de perturbação e consequente endurecimento de seu Espírito, isto é realmente de lamentar, porém a ninguém é dado obrigar esses Espíritos a mudar de rumo. 

Cabe a cada um esforçar-se pela própria salvação ou engrandecimento espiritual. No Alto, disse-o o Senhor Jesus no Prefácio de meu primeiro livro, não existe nenhuma espécie de violência, cada um tem o livre arbítrio para se conduzir como melhor lhe parecer, colhendo ele próprio os frutos doces, ou amargos segundo a espécie plantada. 

Contou-me no Além uma Entidade altamente evoluída, habitante duma esfera onde a vida se constitui numa felicidade perene, que um dos requisitos necessários para ingressar nessa esfera é o esquecimento de si mesmo, e bem assim de quanto se haja passado em toda a sua existência. 

O esquecimento de si mesmo é de um modo cultivado nessa esfera, que a maior preocupação de seus habitantes é o bem-estar e a felicidade do próximo. Direis vós talvez que se a norma geral é o bem do próximo, todos devem sentir-se tão felizes que não terão tempo de se lembrarem de si. Em parte estais certos nesse raciocínio. O esquecimento de si mesmo constitui uma das melhores maneiras dos Espíritos adquirirem a perfeição espiritual.

E numa sociedade em que os indivíduos fazem questão de se esquecerem de si mesmos para só cuidarem do bem-estar e da felicidade do próximo, o amor, a caridade e a virtude lançaram tão fundas raízes, que a Divina Providência se incumbe de proporcionar a cada um aquilo de que porventura necessitar. Na realidade, porém, aqueles que procuram esquecer-se totalmente de si, já atingiram a tão elevado grau de progresso espiritual, que seu Espírito somente pode sentir-se feliz quando pode estar sendo útil ao seu semelhante. 

Contou-me ainda a mencionada Entidade, que na esfera em referência, onde não existe noite nem dia, mas um grau permanente de luminosidade, as criaturas viventes dedicam cerca de oito a doze horas da Terra, a orar pela felicidade e bem-estar de seus irmãos de outros planetas, da Terra inclusive, pelo ardente desejo de poderem ajudar de alguma maneira aos habitantes de outros mundos mais atrasados.