Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

domingo, 2 de novembro de 2014

37. O CAMINHO DOS ESQUECIDOS – Livro - As Forças do Bem.





O que os homens e mulheres da hora presente necessitam de observar de modo particular, porque de seu máximo interesse, é o fato de não poderem saber com a necessária antecedência o ano, mês, dia e hora em que serão chamados de regresso à sua pátria espiritual. E se aprofundarem sua meditação neste particular, certamente descobrirão que nada ou muito pouco fizeram em todo o período decorrido, para aumentar a luz de seu Espírito, com a prática de atos meritórios aos olhos de Nosso Divino Salvador e Guia Máximo Espiritual.

Não podem infelizmente recordar em sua memória física, os homens e mulheres do presente, assim como o não recordaram os do passado, a série enorme de obstáculos pelos mesmos vencidos no Espaço, para obterem a necessária permissão para virem mais uma vez à Terra, em busca de aprimoramento espiritual. Não podem infelizmente recordar que se empenharam realmente junto a seus maiores no Espaço, para intercederem por si junto às Forças do Bem, a quem prometeram com as mãos postas sobre o coração, que desta vez abandonariam os velhos processos de procurarem riquezas, honras e grandeza, como tantas vezes o fizeram no passado, para se dedicarem exclusivamente à causa de seu desenvolvimento espiritual, por meio de trabalhos e obras de assistência fraterna, segundo o luminoso ensinamento de Nosso Senhor: Amai ao próximo como a vós mesmos e alcançareis o Reino do Céu.

Muitos foram em verdade os passos dados por todos os homens e mulheres da hora presente para conseguirem sua atual encarnação, preterindo cada um, um ou mais irmãos que alimentavam o mesmo desejo. E tendo assumido com isso compromisso muito sério com o Divino Salvador, compromisso que em boa parte nem começou a ser cumprido, venho eu dizer-vos, irmãos queridos, que não há mais tempo a perder, em face dos acontecimentos prestes a registrar uma transformação substancial da vida em toda a face da Terra.

Nunca será demais insistir que Nosso Senhor está empenhado em poupar o maior número possível de seus guiados terrenos, às atribulações das próximas horas, numa demonstração a mais do seu grande amor a todos os homens e mulheres, vindo Ele próprio comandar e dirigir esta Grande Cruzada de Esclarecimento. Hora é, ainda, de repetir aquelas suas palavras de há dois mil anos: ouça quem tiver ouvidos de ouvir porque esta Cruzada é provavelmente a última.

Mensageiros do Senhor se empenham por toda parte em falar ao ouvido espiritual de todos os encarnados da hora que passa, com especialidade aos de idade mais avançada, dizendo-lhes estas mesmas palavras, na última tentativa de se fazerem ouvidos e compreendidos.

Observai, irmãos queridos, o que se verifica diariamente em todas as latitudes do vosso mundo: irmãos partem de regresso aos planos do Além, abandonando bens, riqueza e família, nada podendo conduzir em seu caixão mortuário além dos únicos trajes vestidos por outras mãos. Isto acontece exclusivamente em relação ao veículo usado pelo Espírito durante sua permanência na Terra. Verificareis então a diversidade de situação em que são levados à última morada os despojos dos Espíritos que partiram. Seguem muitos deles com grande acompanhamento de pessoas notáveis na sociedade em que viveram, seus despojos ricamente acomodados em luxuosos invólucros, enquanto a grande maioria apenas cumpre o cerimonial mínimo em tais casos, com modesto acompanhamento, invólucro modestíssimo, refletindo bem a posição social em que viveram, ou melhor dizendo, em que morreram.

Ora bem, irmãos queridos: podereis porventura imaginar o que no Alto se passa, em relação a esses irmãos cujos despojos foram assim levados ao seio da Terra em que viveram? Certamente que não podeis fazer sequer uma idéia, embora tenhais presenciado fatos semelhantes durante vossas estadas no Espaço, nos intervalos de vossas encarnações. Pena é que vossa memória física não possa recordar o que estais fartos de haver presenciado, porque decerto encararíeis o fenômeno por seu verdadeiro prisma. Se recordar pudésseis fatos inúmeros como esses, e até aqueles em que fostes parte, saberíeis por experiência própria, que muitos dos nossos irmãos cujos despojos foram dados à sepultura com toda a pompa, são recebidos no Alto com expressões de grande compaixão, pelos mensageiros do Senhor encarregados desse serviço. Esses irmãos desfrutaram uma encarnação terrena de grande prosperidade, acumularam fortuna, riqueza, honras e poder, mas se esqueceram, lamentavelmente, do seu Eu espiritual, nada tendo feito pela aquisição da iluminação que vieram buscar na Terra.

Aportam, pois, esses irmãos, ao plano que lhes é próprio, muitos deles num estado tal de indigência espiritual, de causar verdadeiro constrangimento aos enviados do Senhor. E por quê? Unicamente pelo não cumprimento de deveres impostergáveis para com o Divino Salvador, de quem nunca procuraram aproximar-se durante toda a sua permanência na Terra. Seguem esses irmãos então o chamado por nós Caminho do Esquecimento, que vai ter a uma região em que vivem muitos outros em idênticas condições, entregues às suas recordações.

Agora o outro lado do fenômeno. Muitos daqueles cujos despojos foram acondicionados modestamente, no invólucro de madeira tosca forrado de pano preto, em virtude de não haverem podido acumular fortuna que lhes facultasse, ou melhor, que lhes garantisse o desejado enterro de “primeira classe”, os Espíritos de muitos desses irmãos aportam ao lar espiritual de tal maneira radiosos e felizes, que sua chegada passa a constituir motivo de alegria e até de festa, para os seus amigos e parentes que os aguardam. Muitos desses irmãos, cuja passagem pela Terra se consumiu em trabalhos abençoados por Deus, porque sempre orientados na direção do bem e do amor fraternal, tendo seu coração permanentemente cheio de fé e de esperança no auxílio do Alto, muitos desses irmãos, dizia, praticamente cumpriram sua última romagem pela Terra, porque nela completaram a aquisição da luz espiritual que lhes permite viver agora permanentemente nos planos radiosos do Espírito, ou ingressar no serviço divino como novos mensageiros do Senhor.

Gostaria, irmãos queridos, que minhas palavras merecessem toda a vossa meditação, que fossem lidas e relidas, visto como a cada nova leitura mais se aclarará o vosso Espírito em torno desta grande verdade incontestável: a vida terrena tem por único objetivo a aquisição da luz espiritual.

Se alguém maldosamente tentar convencer-vos de que as coisas se passam de outro modo, e que a vida terrena deve ser vivida em cheio quanto aos prazeres que o mundo vos oferece, desconfiai, irmãos queridos, porque esse alguém foi colocado em vosso caminho com o objetivo de testar a vossa própria determinação. Se lhe derdes ouvidos, se vos deixardes convencer que esse alguém está com a verdade, ai! irmãos queridos! ai de todos vós, porque sereis um Espírito a mais a seguir aquele Caminho do Esquecimento de que falei linhas acima. E como desejo eu próprio estar presente à chegada de todos os meus leitores em sua recepção no Além, para ser o primeiro a abraçar-vos em nome do Senhor, quero que resistais firmemente a todos os maus conselheiros que porventura surgirem em vosso caminho, encostando-vos só e só no coração do Divino Mestre, onde existe um lugar para cada um de vós.

Neste propósito e nesta minha grande esperança, de poder abraçar-vos a todos a seu tempo, despede-se por hoje e vos abençoa, em nome de Jesus, este vosso amigo dedicado — Irmão Tomé.