Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

CAPÍTULO XLIII - UMA IMAGEM DO PARAÍSO - Livro: Derradeira Chamada. Psicografado por Diamantino Coelho Fernandes. Ditado pelo Irmão Thomé.


Os caminhos da Terra, percorridos de século em século pelos mesmos Espíritos em novas reencarnações evolutivas, estão em vésperas de passar por completa transformação, tal como sucede com a abertura das grandes rodovias em que se transformam numerosos caminhos do passado. As transformações por que estão em vésperas de passar também os caminhos há milênios percorridos pelos mesmos Espíritos, oferecer-lhes-ão sem dúvida maior facilidade em sua trajetória evolutiva pela Terra. 

É certo que assim como as grandes rodovias permitem a utilização de novos meios de transporte, os novos caminhos terrenos em preparação hão de trazer à Terra novos Espíritos possuidores de mais aprimorados conhecimentos, com o objetivo de imprimir um maior ritmo de bem-estar e de felicidade ao meio terreno. Não me canso de repetir, portanto, a todos vós meus estimados irmãos leitores, que entre os felizes habitantes da Terra poderão encontrar-se muitos de vós, senão mesmo vós todos que tivestes a ventura de travar conhecimento com os conselhos enfeixados nos meus livros. 

Repetirei então ainda uma vez, que isso dependerá exclusivamente de vós mesmos, na formação do vosso desejo sincero, verdadeiro, de o conseguirdes. Nosso Senhor Jesus regozijar-se-á com essa decisão de vossa parte, não tendo sido outro o objetivo do Divino Mestre em me enviar ao vosso ambiente para vos dizer o que ficou dito nas páginas do meu livro anterior e no presente. Armai-vos, pois, de uma vontade bem forte para vos ligardes pelo coração ao coração magnânimo do Senhor, e estareis fazendo a única coisa necessária para alcançardes o mérito de regressar à Terra no decorrer do século XXI. 

Isto posto, desejo entrar noutra ordem de considerações acerca de algo igualmente interessante para todos os encarnados, como seja o que no Alto se passa com as Entidades ávidas de aprender para progredir na escala espiritual. Devo declarar em princípio, que nenhuma Entidade espiritual alimenta desejos de aprender algo mais no Alto, que não seja com a única finalidade de melhor servir a esse grandioso conjunto de almas que se chama Humanidade. No Alto não existe, por assim dizer, o egoísmo de uma Entidade cursar qualquer ramo do saber com o objetivo de colecionar diplomas ou colocar no dedo uma nova insígnia. Não, meus amigos, no Alto não se conferem diplomas nem quaisquer insígnias de ostentação perante a comunidade espiritual. O saber de cada Entidade, adquirido exclusivamente à custa de esforços meritórios perante o Senhor do Mundo, aparece sempre refletido pelas claridades irradiadas por sua personalidade, que são visíveis e compreensíveis pelas Entidades da sua ou mais alta categoria. E todos quantos já conseguiram alcançar as luzes da verdadeira sabedoria espiritual, estão incondicionalmente à disposição do Senhor Jesus para o desempenho de qualquer missão de serviço que lhes seja confiada, ao fim da qual novas claridades se projetarão em seu diadema espiritual. 

Desejo ressaltar aqui, meus estimados irmãos leitores, que a maior projeção de uma Entidade se encontra estreitamente relacionada com a sua humildade e simplicidade. Sucede então frequentemente, ser um Espírito ainda de fraca projeção recebido em serviço por outro de grande luminosidade, e, em face do tratamento acolhedor, bondoso, que deste recebe, confessar-se maravilhado com o fato, enquanto que na Terra se passa, em regra, o oposto: os grandes homens se negam muitas vezes a receber os pequenos, ou a tratá-los como o que realmente são. No Alto as coisas se passam de modo diferente, para honra e glória da verdadeira espiritualidade. E a propósito vou relatar-vos um fato bastante expressivo.

Passava certa vez por uma pequena povoação de Espíritos de mediana evolução no Espaço, uma Entidade altamente evoluída, que costumava visitar esses conjuntos espirituais para irradiar sobre seus habitantes pensamentos de amor, de fraternidade, caridade e bem-estar, que um grande bem espargiam em todos eles. Pela continuidade dessas irradiações, os Espíritos estagiários já adivinhavam a presença de Entidades elevadas, e alguns manifestavam mentalmente o desejo de conviverem algum tempo no ambiente que lhes era peculiar.

Ciente desse desejo de alguns Espíritos daquela pequena povoação, a Entidade Superior resolveu atrair ao seu plano cerca de meia dúzia de irmãos e conduziu-os ao seu ambiente, como tanto eles desejavam. Ao fim de uma semana reconduziu esses irmãos ao plano em que viviam, verdadeiramente encantados com o estágio que haviam feito em companhia daquela Entidade. Estes irmãos reuniram então numa grande assembléia os companheiros de vida estagiária, para lhes referirem o que de maravilhoso para eles haviam podido apreciar no curto período em que haviam sido hóspedes da "Grande Entidade", como então a designavam. Vou tentar reproduzir as próprias expressões daqueles irmãos maravilhados. 

“Para que possais fazer uma idéia aproximada - diziam aos companheiros - do que são as residências do plano em que estivemos, bastará dizer-vos que não existem na Terra palácios, mansões, castelos ou o que for, que se lhes possa comparar. Tudo ali é luminosidade, beleza, fosforescência. Os jardins ostentam repuxos duma linfa de tal modo luminosa, multicor, que não sabemos qualificá-la. As residências assemelham-se a vivendas de sonho construídas de preciosas laminas de esmeraldas, turquesas, safiras, topázios e ônix, de uma transparência cristalina. Há lá jardins imensos onde as flores, cultivadas com esmero por Entidades menores, espargem no ambiente um perfume delicioso."

E prosseguia a narrativa. "O Sol que ilumina aquelas belíssimas mansões não queima como este que ilumina o nosso plano. É suave, belo, permitindo que o fitem os habitantes daquele autêntico paraíso, sem o risco do deslumbramento. Porém, - referiu - o que mais ainda nos impressionou, foi a simplicidade daquelas "Grandes Entidades" no tratamento que nos dispensaram. Trataram-nos como se fôramos hóspedes ilustres e não estes pobres Espíritos que ainda somos. E como oram! A oração está para aquelas "Grandes Entidades" como o alimento está aqui para nós. Assistimos às suas reuniões de prece, e que bem-estar admirável se lhes seguia. Sentíamos todos nós, ainda tão atrasados, que uma espécie de neblina luminosa se derramava sobre as suas e as nossas cabeças durante e após as reuniões de prece." 

“A este respeito - interferiu outro irmão - quero informar-vos de algo que nos é muito importante. E prosseguiu: “Maravilhado com aquela neblina luminosa que se derramava durante as reuniões de prece a que se entregavam as "Grandes Entidades" de manhã, ao meio-dia e à noite”, aventurei-me a indagar do nosso hospedeiro a razão daquilo e ele assim me respondeu:

"Meu filho, o que acontece neste plano, acontece igualmente em todos os planos do Universo. Em qualquer parte em que uma criatura emita uma vibração de prece ao Criador, uma neblina semelhante a esta se derrama sobre ela, por efeito da transformação da prece ao atingir determinado plano. Se a prece partir realmente do âmago da criatura, esse sentimento a projeta mais rapidamente àquele plano, transformando-a instantaneamente nessa neblina perfumada que acabas de ver e sentir. Essa neblina - continuou a “Grande Entidade" - no teu plano transforma-se em luz para os que oram, e consequente refinamento de suas qualidades espirituais. Já na Terra, disse, esta neblina é absolutamente invisível aos encarnados em consequência da opacidade do veículo carnal; porém ela se derrama igualmente sobre todos que oram, transformando-se em vibrações de saúde e bem-estar para o corpo." 

"Meus irmãos, - prosseguiu o primeiro orador - sinto imenso que tão curta nos fosse a estada feliz no plano das Grandes Entidades; mas um grande bem ela nos trouxe a todas: d'agora em diante nos reuniremos também três vezes ao dia para orarmos juntos, e juntos recebermos aquele fluido maravilhoso que é o resultado da prece, para o mais rápido progresso de todos nós." 

Assim decorreu a reunião daqueles nossos irmãos após a visita que alguns tiveram a ventura de fazer a um dos mais belos planos do Além, como gostais de referir o Mundo Espiritual. A constatação que fizeram da simplicidade das Entidades altamente evoluídas, confirma o que vem sendo ensinado há milênios na Terra e repetido foi pelo Messias quando recomendava aos homens da época: Sede simples  como as crianças! 

A simplicidade denota a ausência dos sentimentos condenáveis que se apossam do homem após a idade infantil, e se transformam nos seus piores inimigos. Alcançada, entretanto, a simplicidade através da evolução espiritual de cada um, eis a característica das Grandes Entidades, que terá de ser um dia alcançada por todos os seres humanos - Quando, porém? - perguntareis vós. Eu vos responderei de todo o coração que tão rapidamente quanto o desejardes. Pela prece sincera todos o conseguirão! Exercitai-a pois, com ardor.