Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

CAPÍTULO XXXIV - REENCARNAÇÃO DOS ESPÍRITOS SUPERIORES - Livro: Derradeira Chamada. Psicografado por Diamantino Coelho Fernandes. Ditado pelo Irmão Thomé.




Se todos os homens e mulheres desejarem verdadeiramente alcançar a sua felicidade espiritual para toda a eternidade, bem pouca coisa terão de fazer: apenas meditar a sério sobre quanto lhes vim dizer por determinação do Nosso Divino Salvador, e seguirem os conselhos que lhes deixo nos dois volumes que tenho grafado na Terra. 

É indispensável que se desprendam o quanto puderem das cadeias de seus interesses materiais, para se prenderem, isso sim, aos interesses do Espírito, que é a fagulha divina que anima e aquece a matéria física da qual se encontram prisioneiros, até ao momento de sua desencarnação e consequente regresso ao mundo espiritual. 

O momento a ser vivido pelos seres humanos deve ser considerado de excepcional importância para todos, porque se assemelhará ao crivo que há de separar os grãos perfeitos, vivos, dos emurchecidos, sendo estes jogados fora por imprestáveis para qualquer  finalidade. Há apenas uma diferença em relação aos seres humanos: esta é que aqueles que tiverem de ser comparados aos grãos imprestáveis, não serão jogados fora no sentido aplicado ao cereal. Aqueles que por sua desventura não puderem passar no crivo selecionador, terão destino adequado, ao qual já me referi de sobejo em mensagens anteriores. Irão engrossar a população de outros mundos em estado evolutivo mais de acordo com o seu, onde talvez possam ensinar algo do que aprenderam na Terra, aos seres que lá evoluem. 

O desejo, entretanto, do Senhor Jesus, é que nem uma só ovelha do seu rebanho se perca, se isto depender do Nosso Grande Pastor, cujo coração sangrará se algum dos seus guiados terrenos, por desídia, desleixo ou preguiça, tiver de ser encaminhado a mundos inferiores, onde a vida poderá ser cem vezes mais triste do que a da Terra. Assim pois, irmãos e amigos que muito estimo, eu vos peço e recomendo uma vez mais: relede os conselhos que vos trouxe por determinação do Senhor Jesus, e praticai o que neles vos recomendo em vosso próprio e único benefício. 

Quando um dia tivermos a felicidade de nos encontrar no Alto, vós me agradecereis sinceramente tudo quanto vos deixo grafado em meus livros, e Nosso Senhor, que estará presente, lançará bênçãos e luzes sobre vossos belos espíritos. 

Quero em seguida conversar convosco sobre outro assunto, procurando transmitir-vos em palavras simples, como simples tem sido a linguagem de Nosso Senhor, alguns conhecimentos novos para a vossa edificação. Falarei hoje sobre assunto relacionado com o problema da reencarnação dos Espíritos e as dificuldades que se lhes antepõem até ao momento do deferimento de seu grande anseio de voltar à Terra. 

Direi preliminarmente que existem no Alto duas espécies de seleção dos Espíritos a reencarnar. Há os que se oferecem ao Senhor Jesus para reencarnarem uma vez mais em missão de serviço na Terra, dispondo-se a mais um mergulho na carne com todos os sofrimentos que esse fato acarreta aos Espíritos Superiores, para aqui cooperarem na tarefa de esclarecimento da humanidade encarnada. Esses Espíritos aparecem invariavelmente em lares humildes onde as posses materiais são bastante reduzidas, e iniciam uma infância de trabalhos até para a própria manutenção, e assim prosseguem na juventude e mocidade. A luz de que são possuidores esses Espíritos, é que os fez projetarem-se mais acentuadamente pela vida em fora, trabalhando, lutando e sofrendo decepções em seus belos empreendimentos. Nosso Senhor observa-os do Alto, ilumina-os quando necessário com sua divina luz, mas deixa que se equilibrem e vençam pelo próprio esforço. Dia chegará em que o amadurecimento mental desses Espíritos de Deus encarnados na Terra, começa a desempenhar suas tarefas e então sua missão se inicia firme e decisiva junto aos irmãos encarnados, cujo trabalho os identifica como autênticos servidores do Senhor Jesus. Raríssimas vezes essa classe de Espíritos consegue realizar suas tarefas antes da maturidade do corpo, contra cujas vibrações eles têm que lutar e muito, para não submergirem.

Devo dizer-vos, contudo, irmãos queridos que nem todos os missionários a quem me venho referindo conseguem a realização total de suas tarefas, ou melhor dizendo, do programa que se traçaram no Alto. O meio ambiente em não poucos casos consegue como que anestesiar os mais elevados sentimentos de que são possuidores, resultando então sua encarnação numa estagnação do seu ideal e antigo desejo de servir ao Senhor, como no Alto haviam prometido. Uma minoria brilhante, porém, consegue realizar boa parte do seu programa de trabalho na Terra, e regressa ao Espaço  aureolada de novas e portentosas luzes adquiridas através de anos e anos de esforço no trabalho santo de esclarecimento e ajuda aos irmãos encarnados.

Falarei em seguida de outra classe de Espíritos que devem reencarnar. Esta classe deve ser subdividida entre os que recebem a desejada permissão para voltar à Terra, e os que recebem determinação para reencarnar. Os primeiros são os irmãos que desejam ardentemente um novo mergulho na carne, a fim de adquirirem novas luzes ao longo dos trabalhos e dificuldades que os aguardam, cujo plano de vida eles próprios elaboram meticulosamente. Acontece, infelizmente, o que já tenho referido aqui: a grande maioria desses irmãos ao se encontrarem na Terra, esquece promessas, programa e deveres, pouco aproveitando seus Espíritos ao termo dessa encarnação. É o caso lamentável de muitos dos meus queridos leitores, a quem eu convido a meditarem a sério no que aí fica. Quantos dos que me lêem também traçaram belos planos e prometeram executá-los, e no entanto de tudo se esqueceram! Mas ainda é tempo. Lembrem-se todos daquela parábola dos trabalhadores da undécima hora, e de certo também, farão jus à igualdade do salário. 

Finalmente referirei o que se passa com a outra classe de Espíritos, aqueles a quem foi necessário determinar uma nova reencarnação, digamos... reparadora. Trata-se na hipótese de irmãos que aqui faliram lamentavelmente por motivo de haverem olvidado aquela recomendação do Senhor, orai e vigiai , e se deixaram envolver pela treva das maldades terrenas, tendo ingressado na senda de crime ou outra espécie de infração às leis divinas. Partindo do princípio espiritual de que a todos é permitida a reabilitação, a Misericórdia Divina envia novamente à Terra os Espíritos culpados pela prática de falta grave contra seus irmãos terrenos, a fim de que, agora na situação de vítimas, possam resgatar na carne o mal que a outros hajam feito. Há nisto uma demonstração a mais da Misericórdia Divina, permitindo que aquele que feriu seja ferido, o que ultrajou seja ultrajado, o que prejudicou seja prejudicado, o que enganou seja enganado, o que matou seja morto, para que todos quantos tiverem delitos a resgatar, o façam no mesmo cenário em que os houverem praticado. Vede, irmãos queridos, por este relato sucinto, quanta grandeza existe na lei tão vossa conhecida como de Causa e Efeito , também denominada lei do karma !