Passa já da hora o vosso despertar espiritual . . . Saiba que a tua verdadeira pátria é no mundo espiritual . . . Teu objetivo aqui é adquirir luzes e bênçãos para que possas iluminar teus caminhos quando deixares esta dimensão, ascender e não ficar em trevas neste mundo de ilusão . . .   Muita Paz Saúde Luz e Amor . . . meu irmão . . . minha irmã

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

CAPÍTULO XXXVIII - NÃO EXISTE VIDA INÚTIL - Livro: Derradeira Chamada. Psicografado por Diamantino Coelho Fernandes. Ditado pelo Irmão Thomé.



 


A Terra, assim como os demais planetas do seu sistema solar, é um organismo perfeito, vivente, atuante, e como todos os organismos desta espécie, está sujeita a modificações constantes e transformações periódicas. Constituída para servir de plano de aprimoramento espiritual dos seres que nela viverem, a Terra possui também um destino a cumprir através dos milênios.

Conheceis a propósito o relato histórico de vossos antepassados acerca das diversas épocas ou estágios, ao fim dos quais várias transformações foram operadas na estrutura física deste pequeno planeta em que ora viveis. Pois bem, com o fim do estágio presente, com toda a civilização dos vossos dias, resultará para os seres atualmente encarnados um novo estágio, o século da espiritualidade. 

Bem quisera eu dizer estas coisas de viva voz, para que muitas palavras penetrassem vossos ouvidos, visto como muito mais facilmente se aprende pelo órgão auditivo do que pelo visual. Não podendo fazê-lo, porém, é que tenho de insistir em certos detalhes, na esperança de que a repetição complete a imagem adquirida anteriormente, conduzindo vossas mentes ao registro pleno de quanto me empenho em transmitir-vos, no interesse único de ajudar-vos em horas provavelmente difíceis. 

A Terra está, por conseguinte, em seu tempo predeterminado para alcançar seu estágio com modificações mais e menos profundas em sua estrutura, como disse, devendo apresentar-se à sua superfície, alguns setores submersos há longos séculos, por ocasião de transformações como a próxima, cabendo a vez de submersão, desta feita, a regiões que ora ostentam adiantamento material notável.

Isto acontecerá com a maior naturalidade, tal como sucede quando utilizais uma carga de dinamite para desmoronar velho edifício, que resistiu aos outros meios empregados, ou mesmo a grande bloco de granito que necessitais de remover. São fatos corriqueiros, por assim dizer, na vida dos planetas, sem que isso afete vida e progresso dos seus habitantes. 

Sabendo-se que nenhum ser humano pertence à Terra, porque apenas nela vive a vida transitória do corpo físico, não há porque ficarem os homens e mulheres preocupados ante as notícias e instruções que tive a incumbência de trazer-vos. 

Vossos campos santos estão repletos de despojos de seres como vós, que vieram e partiram antes, no cumprimento das leis divinas que permitem as reencarnações sucessivas em busca de luz para o Espírito. 

Se, por conseguinte, tivestes a felicidade de tomar conhecimento de meus conselhos, no sentido de vos preparardes com tempo para a vossa viagem de regresso ao lar espiritual, isto, irmãos e amigos meus, representa para todos vós a prova da grandeza a Misericórdia do Nosso Divino Salvador, a salvar-vos na hora difícil que a Terra inteira viverá. 

A seguir vou falar-vos de um assunto bastante interessante para todos os vivente terrenos, sobre o qual muito pouco foi dito até a data presente. Refiro-me ao princípio regulador da vida de relação das várias espécies, conhecida apenas em seu aspecto fisiológico. 

Existe um principio regulador dessa categoria de seres terrenos vivendo a vida puramente instintiva, porém ligados no mundo espiritual a uma perfeita organização que superintende e dirige esses seres no mundo físico. 

Trata-se aqui de seres absolutamente inconscientes de sua própria existência, vivendo a vida puramente instintiva e aparentemente inútil na opinião de muitas pessoas. Não, meus caros irmãos; não existe vida alguma inútil neste mundo de Deus. Todos os seres por minúsculos que pareçam, desempenham uma finalidade. Sua vida terrena demasiado curta em vários deles, representa o principio regulador de uma evolução, vivendo apenas no ambiente material o período que seu duplo espiritual estiver capacitado para suportar. Um verme, por exemplo, desprezível como possais considerá-lo, é um ser que apenas se inicia na forma física, para se relacionar pouco a pouco com o ambiente planetário em que começa a viver. Esse ser possui, contudo, em estado latente, todos os princípios que o hão de tornar, com o perpassar dos milênios, um ser inteligente e útil como vós próprios já o sois.

É bem de ver que nenhum irracional possui ainda o dom maravilhoso da consciência não guardando também memória de seus atos após a morte do corpo todos estes seres vivem simplesmente a vida instintiva, diferindo apenas entre eles o grau de inteligência que possam manifestar a força do ensinamento de certos hábitos que eles aprendam pelo desenvolvimento da atenção. O que certamente surpreende a muitos Espíritos que desencarnam, é o fato de encontrarem em certos planos mais próximos à Terra, os mesmos seres minúsculos que aqui vivem, ou melhor dizendo, viveram, e aqui deixaram seus despojos quantas vezes até esmagados por seres humanos. Sim, amigos meus o que em verdade encontrareis nos planos de que falo, é o duplo espiritual (não o Espírito) desses seres inferiores do vosso mundo, aguardando oportunidade para aqui voltarem, sempre, é claro, sob o princípio regulador de sua espécie. 

Se me permitis uma comparação a este respeito, sem que isto possa diminuir de algum modo a vossa personalidade atual, eu vos direi que todos os seres humanos de todos os tempos, foram e continuam a ser autênticos vermes em vilegiatura na Terra, porque de vermes realmente é constituído o vosso corpo, tal qual o de todos os outros viventes animados. Exato? Concordais plenamente? Certamente que sim em face do que sucede aos despojos humanos quarenta e oito horas depois da libertação do Espírito. 

Ora, se assim é, se todos os organismos humanos são formados pela reunião de milhões de outros organismos, e apenas o Espírito que os anima constitui uma partícula da Divindade, partícula possuidora de luz e calor, cujo destino é regressar um dia à Fonte Criadora, por que insistirem os homens em manter como objeto precípuo o acúmulo de bens terrenos, sem a contrapartida de sua elevação espiritual? Se certos estão os seres humanos de que apenas ocupam temporariamente um veículo que não é seu porque lhes foi proporcionado pela Providência Divina, o qual lhes será retirado em momento dado, por que, então, não firmarem o princípio de sua presente existência na Terra, na necessidade de acrescentarem mais luz e calor à chama que trouxeram do Alto, para que possam alcançar paralelamente, alguns novos degraus na escala de sua própria felicidade? 

É esta uma verdade autêntica porque não sofre nenhuma espécie de contestação: o ser humano não veio à Terra para enriquecer a matéria com o acúmulo de bens, mas unicamente para enriquecer o Espírito com a prática de boas ações, e da oração e meditação diárias. Não importa que algumas opiniões se apresentem no sentido de convencer o vizinho de que esta verdade não tem época, e poderá ficar para mais tarde... para depois...

Já sabemos de experiência própria que todos os frutos aparecem em épocas certas, infalíveis, ou não aparecerão mais no ano em curso. Assim os conselhos que ora vos deixo; eles estão destinados a produzir efeito em época determinada que se aproxima aceleradamente. Uma vez ultrapassada esta, deles se aproveitou quem estava em condições para tanto, e poderá então relatar ao vizinho o que de bom, de belo ou maravilhoso houver aproveitado, nada podendo fazer aqueles que preferiram deixá-los para outra oportunidade. 

Uma coisa eu desejo submeter à vossa consideração, ao vosso raciocínio: - Se Nosso Senhor Jesus enviou à Terra um sem número de emissários com o objetivo de despertar os encarnados para a preparação de seu próximo regresso ao mundo espiritual, o foi sem dúvida possível, meus queridos irmãos, por motivo transcendente, relacionado muito estreitamente com a felicidade de cada um dos seus guiados terrenos.

Meditai seriamente sobre isto, eu vos peço.